Terça-feira, 19 de Setembro de 2006

...

Ki-Zerbo e Leo.jpg
2003 - Roma/Vaticano (Praça de S. Pedro) - Joseph Ki-zerbo e Leopoldo Amado


Bem-vindo ao LAMPARAM, espaço guineense de permuta de ideias, reflexões, análises e comentários. LAMPARAM – nome escolhido propositadamente para este espaço, justifica-se por verosimilhança – , pois é a palavra ou a expressão por que se designa no crioulo da Guiné-Bissau um engenho tradicional de propulsão normalmente utilizado nas plantações e nas bolanhas da Guiné-Bissau para afugentar a acção predatória das aves sobre as culturas.

Assim, você, nós e outros (guineenses e amigos de África e da Guiné-Bissau), somos todos bem-vindos ao LAMPARAM para dele nos servirmos e, desta forma, realizarmos livre e civilizadamente a propulsão do nosso "ethós", individual ou colectivamente, independentemente das diferenças de opinião ou de pontos de vista, conquanto possamos afugentar a intolerância e forjarmos, pela via do diálogo e da confrontação de ideais, a tão almejada quanto necessária união na diversidade.

Seja qual for o plano em que formos interpelados para apreciar a desunião que nos é peculiar, somos forçados a concluir energicamente pela afirmativa - o nosso dever e a nossa determinação incondicionável em alguma coisa fazer em prol da guineidade e da coesão social na Guiné-Bissau.

Julho 2005
publicado por jambros às 16:55
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Tajudeen Abdul-Raheem posed a question: Who is Afraid of China?

Tajudeen Abdul Rahem.jpg
Toyin Falola, Department of History, The University of Texas at Austin

His answer follows

It is difficult to read
western papers these days or watch their televisions
and listen to their radios without some Chinese
feature, news, information, disinformation and mis
information. Western policy makers are training their
future generations to learn mandarin. Chinese Studies
is booming in their universities while the
intelligence services are in frenzy recruiting any one
who could help them decipher the Chinese mind. Even
retired old China hands are being recalled from their
retirement back into active service.

China is being discussed in the West as a threat. A
threat to Western hegemony across the world mostly in
economic terms. Nowhere is this threat more
orchestrated than in Africa. If China is a threat to
the West should we worry when the West has always been
a threat to our very existence for centuries?

I was at one of those conferences on China in the
United Kingdom a few weeks ago. It was organised by
the highbrow New Labour policy think tank, Institute
for Public Policy Research (IPPR). The theme of the
Conference was 'China and Africa'. I went to the
conference with mixed feelings. I would have had no
problem if the theme had been ' Britain and China'.
But why would a British Institution be concerned about
China in Africa?

Should we not be having such meetings in Africa under
the auspices of our own governments, research centres,
NGOs and even the Private sector?

Of course this question is very rhetorical on my part.
I cannot plead naivety in these matters but still I
cannot help asking the question even if I know the
answers. Such is the ideological incapacitation (both
structurally induced and those seduced by complacency
and irresponsible leadership) of Africa these days
that even the poverty that majority of our peoples
suffer from have their experts in the West and
advocates in Western NGOs and other Western Do-Gooders
who put our pictures in the backgrounds of their
appeals. So bad is the situation that some African
countries even have Western Donor advisers to help
them negotiate in forums like the WTO where our
countries 'negotiate' with Western governments. It is
like the person whacking you also offering you a
handkerchief to wipe your tears! Oh Africa! Can
Turkeys really vote for an early Christmas?

That puts the IPPR conference in context. The West
has arrogated to itself the right to act, talk,
interpret and define African realities. Slavery,
colonialism, neo-colonialism / cold war and the
current recolonisation via globalisation provide the
historical template from which these attitudes are
drawn. They even define for us who are our enemies and
who are our friends!

But at every stage they have had willing
collaborators, apologists and active agents not only
at the highest level of our political society but also
civil society. Without African agency these inequities
could not have lasted this long. China is an example
of a country and peoples who have refused to give up
shaping their own destiny. Not that various
imperialist forces have not tried several times but
China has remained Chinese.

The current discourse in the West about China is very
much reminiscent of the Cold war days where the West
thought, acted and behaved as though Africa was its
exclusive preserve for exploitation and domination.
It's like a vulture scaring off other vultures from
its perch.

So the west is now warning Africa to be wary of China.
The alarm bells are sounded about many issues on which
China is vulnerable. One, China is after Africa's
Energy and other resources needed for its vastly
growing economy. Two, It does not respect human rights
at home and therefore will not give a damn about it in
Africa. Just check the list of China's new best
friends in Africa! Three, it does not care about the
cost to the environment of its energy and growth
needs. Four, in international affairs china only seek
the protection of Chinese interests no matter whose ox
is gored. For instance China continuously either
abstains from or prevent (or water down) any vote of
censure in the UN Security Council and General
Assembly against governments it is doing business with
whether it is the killer regime in Khartoum killing
its own peoples in Darfur or the illegitimate
government of Idris Deby in neighbouring Chad because
of Oil.

There are many other reasons why the West thinks
Africa should be wary of China. The interesting thing
is that all of these charges and many more are true of
China's foreign policy. But the bigger question is
that: are they not also true of Africa's relations
with the West? Do we need Westerners to tell us about
these when our physical body and body politic are
still suffering from similar forced encounter with the
West? How can the blackened Western pot really call
the Chinese porcelain kettle black?

Does this mean that there are no legitimate issues
that should concern Africans about China's deepening
engagement with Africa? There are many but we do not
need our former and current colonisers to give us
lectures on them. They are serial re- offenders when
it comes to exploiting Africa.

Africa can and should choose its own friends and
enemies though some enemies and friends may decide to
choose you.

There are many concerns that we must address. The
first one is China's bilateralism in relation to
Africa. While this may suit the short-term needs of
individual Leaders, it undermines our sub regional and
Pan African institutions and commitments. It replays
the colonialist divide and conquer tactics. Most of
our countries have no chance negotiating with China
alone. They will be gobbled up one by one. Two, the
influx of Chinese goods, services (including Criminal
gangs), migrants, is undermining our local economies
and attempts at regional integration. While the goods
are much cheaper than those from the West they are
also killing our nascent industries. Even areas where
we have had much progress in the past like textiles
are being killed off from the dumping of cheaper
Chinese products. As a Funtua man I should know about
this because the Chinese have taken over our biggest
industry, FUNTUA TEXTILES. Three, in the cold war days
China, like other Socialist states used to have three
principles governing their international relations.
These were: People to people, Party-to-Party and
Government-to-Government. These days China does only
Business to government and Government to Government.
Where it has any links with parties they are not
necessarily Communist parties (since China is also any
thing but communist in name only) but ruling parties
that can facilitate access for their businesses.

This is where the biggest challenge is both for
African CSOs, NGOs, other pro- people forces and China
itself: How do we engage with the Chinese and how can
the Chinese engage with us outside of the framework of
Government and Business given the lack of
institutional and historical knowledge on both sides
on that type of engagement?


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

O perigo chinês
Alexandre.jpg
por Alexandre Reis Rodrigues


O Governo chinês bem se tem esforçado para transmitir a ideia que o crescimento do país e um maior protagonismo na região não porá em causa a segurança a vizinhos e rivais; para não haver dúvidas, a inicial palavra de ordem de peaceful rise foi substituída por peaceful development e renovam-se as garantias de que, ao contrário do sucedido na ascensão de grandes potências no passado, os laços económicos que a China está a criar não só tornarão uma guerra menos possível como até serão um motor de desenvolvimento para os outros. [1]

Não obstante essas garantias, todos se interrogam sobre até que ponto podem confiar nestas promessas de crescimento e desenvolvimento pacíficos e as opiniões divergem, por vezes até radicalmente. Zbigniew Brzezinski e John J. Mearsheimer [2] mantiveram, em número recente da revista Foreign Policy , uma discussão breve sobre este assunto; o primeiro não vê na situação existente sinais de perigos enquanto o segundo acha que a China e os EUA estão a entrar numa situação de intensa competição, com considerável potencial para guerra.

Para Brzezinski, a China está principalmente interessada no desenvolvimento económico e em ser aceite como uma grande potência, apostando tudo nos dois maiores acontecimentos internacionais por cuja organização é responsável: os Jogos Olímpicos de 2008 e a World Expo de Shanghai em 2010. Ao nível estratégico, parece contentar-se com a dissuasão mínima de 24 mísseis balísticos com ogivas nucleares, capazes de atingirem território continental dos EUA, não obstante terem ameaçado desenvolver esse arsenal quando os EUA anunciaram o abandono do Tratado Anti-Mísseis Balísticos. Em qualquer caso, para Brzezinski, será precisamente a posse da arma nuclear, com a correspondente possibilidade de uma total eliminação das respectivas sociedades, que vai evitar um conflito directo.

Para Mearsheimeir, a China está já na procura de uma situação de hegemonia na sua região, tentando empurrar progressivamente os EUA para fora; seguidamente, da mesma forma que os EUA não toleram rivais, não prescindindo do seu estatuto de potência hegemónica, a China vai procurar que nenhuma outra potência rival domine qualquer outra região do Mundo. Ninguém pode antever o que pretenderá fazer de Taiwan dentro de vinte anos; porém, o mais provável é que tendo empurrado os EUA para fora da região o assunto será fácil de resolver. Em nenhum caso, para Mearshmeimeir, a necessidade de crescimento económico impedirá que actue militarmente, se alguma alteração importante ocorrer no actual statuo quo.

Os números respeitantes ao crescimento económico da China são de facto impressionantes; com um produto interno bruto de 1,4 triliões de dólares americanos em 2003, é bem possível – dizem os especialistas financeiros – que poderá ultrapassar o dos EUA em 2050, senão mesmo antes. No World Economic Forum , em Davos, em Janeiro deste ano, foi notória a sua muito activa diplomacia económica, numa ofensiva de diversificados contactos, abrangendo a União Europeia (sendo já os maiores parceiros comerciais de cada um), a América Latina (acordos comerciais) e África (acordos petrolíferos). Uma das suas metas é conseguir colocar 50 empresas chinesas na tabela das 500 mais importantes seleccionadas pela Fortune . [3] Segundo alguns analistas, em 2020, a Ásia será um dos principais motores da economia mundial com a China e a Índia a tirarem o melhor partido da globalização, graças a uma mão-de-obra enorme e extremamente barata. Calcula-se, devido a estas circunstâncias, que a possibilidade de ocorrência de conflitos (escalada de conflitos) nos próximos 15 anos será mais baixa do que em qualquer outra altura durante o século XX.

Se, porém compararmos, como sugere Martin Wolf [4] , o ritmo de crescimento da China com outros em situações idênticas de acelerado desenvolvimento chegaremos rapidamente à conclusão que afinal o caso chinês não será tão especular como isso. Por exemplo, enquanto o PIB chinês cresceu em média 6,1 % ao ano entre 1978 e 2003, ou seja 337% no período (25 anos) o Japão em 23 anos, entre 1950 e 1973, cresceu 490%. A Coreia do Sul, outro possível exemplo, cresceu em média 7,6% por ano entre 1962 e 1990,e Taiwan 6,35 entre 1958 e 1990. Em comparação com os EUA, o PIB per capita chinês no início da actual fase de crescimento económico era um vinte avos do americano; passados 25 anos de crescimento, passou a ser de um 15 avos, o que representa uma modesta aproximação.

A China vive um contexto ainda muito condicionado por muitas contradições do processo de transição para uma economia crescentemente de mercado, falta de transparência, diversos obstáculos sociais e políticos ao desenvolvimento económico, muita corrupção e limitado respeito por direitos de propriedade, cumprimento de contratos, etc. [5] Por isso não será de estranhar esta prestação mais fraca apesar de ser o país que mais atrai o investimento estrangeiro (60 mil milhões de dólares americanos em 2004 e 560 mil milhões entre 1979 e 2004).

Mesmo assim para a actual liderança chinesa, neste momento personalizada em Hu Jintao que acumula os três mais importantes cargos – líder do partido, presidente do país e presidente da influente Comissão das Forças Armadas – a prioridade vai em sentido exactamente contrário, para desacelerar um crescimento [6] que está a gerar riscos de instabilidade por agravamento das desigualdades que se estimam ter aumentado 50% entre 1980 e 1997. [7] No Congresso Nacional do Povo, a 5 de Março, o primeiro-ministro defendeu um crescimento do PIB de apenas 7% em vez dos 9,5% verificados em 2004 mas cada vez é mais difícil ao Governo Central ter mão firme sobre esta questão; dentro do processo de transição económico, as províncias ganharam capacidades de decisão até então detidas pelo Poder central, tendo o controlo dos investimentos passado do State Planning Commission para a menos autoritária National Development and Reform Commission . [8]

Continua a haver graves défices na educação, na saúde pública e na protecção do ambiente, situação eventualmente tornada mais complexa pelas intensas movimentações internas: nos últimos anos, as cidades chinesas absorveram cerca de 114 milhões de trabalhadores rurais e esperam-se, na próxima década, qualquer coisa com mais 250 a 300 milhões. Presentemente, os rendimentos nas cidades são, em média, estimados em estar cerca de 3,2 vezes acima dos salários nas áreas rurais, onde há também uma grave situação de generalizado sub-emprego. [9] A criação de uma “sociedade harmoniosa”, que desde Setembro do ano passado é uma prioridade do Governo chinês, foi a palavra de ordem para os 3000 delegados ao Congresso Nacional do Povo. [10]

Neste contexto, assumem particular importância três questões: a independência de Taiwan, o eventual levantamento do embargo europeu à venda de armamento e a do poder militar.

Taiwan passou de novo para as primeiras páginas dos jornais com o anúncio da aprovação da chamada lei da secessão, já ratificada pelo Congresso Nacional do Povo, no passado dia 8 de Março. Taiwan é, para todos os efeitos práticos, um país de facto independente desde 1949, quando os nacionalistas chineses derrotados por Mao Tse Tung abandonaram o continente e refugiaram-se na ilha. Os líderes comunistas chineses nunca aceitaram esta situação e continuam a insistir que a ilha é parte integrante do território chinês; até há pouco tempo, exigiam conversações sobre a reunificação e ameaçavam o uso da força se Taiwan continuasse a resistir a essa ideia. Presentemente, com a nova lei, o State Council (o topo da hierarquia política) e a Central Military Comission (o topo da hierarquia militar) ficam automaticamente autorizadas a usar a força em caso de declaração de independência por parte de Taiwan, para proteger a soberania e a integridade territorial.

Esta nova lei satisfará, certamente, as correntes mais nacionalistas cansadas dos activistas da independência e, em especial, das declarações provocativas do Presidente Chen Shui-bia de Taipe. Porém, na realidade, a lei em nada altera a anterior posição de Pequim nem contribui para uma solução desta disputa, porventura, uma das mais sérias e complexas e obviamente um gravíssimo risco para a segurança internacional; pior do que isso, retira credibilidade aos esforços que, desde há anos, a China está a fazer para consolidar uma imagem de país empenhado em manter um relacionamento pacífico com os seus vizinhos, sem qualquer intenção agressiva. Os EUA têm continuamente encorajado a procura de uma solução pacífica, recomendando o diálogo entre as partes, dentro do princípio que desde sempre têm mantido de que há apenas uma China; Colin Powell, na sua última visita a Pequim, foi muito claro ao dizer que “Taipe não é independente”. [11] Esta é, aliás, a posição das principais potências, mas isto não pode esconder o facto de que existe na Ilha um sentimento de identidade distinto do existente no Continente.

Segundo especialistas nesta área, a melhor solução e, eventualmente a única com alguma viabilidade, é conseguir uma forma de manter o statuo quo levando as duas partes a estabelecer negociações para um novo quadro que garanta estabilidade no Estreito a longo prazo, entre 20 a 30 anos. Porém, Pequim exigirá que o início das conversações seja precedido pela aceitação do princípio de que existe uma só China e Taipe argumentará dizendo que já são de facto independentes; estes obstáculos só poderão ser ultrapassados se for possível encontrar uma definição de independência que não comprometa as exigências de cada parte.

O problema do eventual levantamento do embargo à exportação de armamento, montado pela União Europeia na sequência dos incidentes de Tiananmen, em 1989, é uma questão que também interessa no âmbito das relações transatlânticas, dada a divergência de opiniões; foi, conforme amplamente divulgado, um dos temas de discussão durante a recente visita de Bush à Europa. Os EUA têm repetidamente chamado a atenção dos europeus para o perigo de uma alteração do equilíbrio militar na região, com uma liberalização de vendas de armamento para a China; a Secretária de Estado Codollezza Rice, lembrou de novo, na sua deslocação recente a seis países asiáticos, que nada devia [12] ser feito para alterar esse equilíbrio e que havia que ter presente que têm sido os EUA a assegurar a segurança no Pacífico.

Os europeus têm dito que o embargo foi sobretudo um sinal político para levar o Governo chinês a lamentar a forma como lidaram com os incidentes de Tiannamen a 4 de Junho de 1989, em que terão sido mortos entre 1500 a 2000 manifestantes, estando cerca de 2000 ainda presos, para além de algumas centenas que abandonaram o país. A verdade é que a China nunca lamentou esses acontecimentos e a situação de direitos humanos embora tendo melhorado continua muito longe dos padrões mínimos exigidos, conforme está amplamente testemunhado. Os defensores do levantamento do embargo, liderados pela França e Alemanha, acrescentam que o embargo em vigor nunca foi completo [13] , que a aprovação de uma nova versão do Código de Conduta de 1998 vai garantir que não será exportado material militar sensível e, finalmente, que a medida é necessária para permitir a normalização dos relações com a China. Só não é dito que as relações nunca foram tão boas como agora e que a França e a Alemanha estão empenhadíssimas em incrementar a suas exportações. [14] Chirac acrescenta que o levantamento do embargo “não quer dizer venda de armas”! Por sua vez, Solana diz que a China “merece o levantamento do embargo”. [15]

Alguns acontecimentos recentes podem, porém, alterar esta situação. O Reino Unido, pela voz do Jack Straw, entende que a aprovação da lei anti-secessão veio introduzir um novo dado e que por isso é necessário rever a intenção anterior de aprovar o levantamento do embargo, que estava previsto para Junho deste ano; note-se que o Reino Unido assumirá a presidência rotativa da UE em Julho. Na Alemanha, a oposição está a desencadear uma campanha no Parlamento que poderá dividir a coligação de Schroeder sobre este assunto e permitir uma votação contra o levantamento do embargo. Outros países europeus, a Holanda, a Finlândia e a Suécia estão também contra o levantamento; Portugal, que o apoiou, nomeadamente com declarações do Presidente da República na sua recente deslocação à China, está em risco de ficar isolado mas parece que a posição vai ser corrigida no sentido de defender um adiamento do levantamento do embargo sem, no entanto, o pôr em causa. A pressão americana sobre os europeus também não tem deixado de aumentar: ameaças do Congresso em suspender toda a transferência de tecnologias militares e total indisponibilidade para ouvir as explicações que Annalisa Gianella, enviada de Solana, sobre as razões europeias.


O embargo pode, de facto, ser simbólico mas o que poderá ser bem real são os impactos colaterais do seu eventual levantamento nomeadamente, entre outros aspectos, a possibilidade de a China poder retribuir com uma eventual opção pelo AIRBUS europeu em vez do Boeing americano. Falta apenas perguntar quem tem interesse na Europa que a China se modernize militarmente mais rapidamente. [16] A Rússia, a Austrália e Israel, todos também importantes fornecedores de armamento à China não estão obviamente nada interessados no levantamento do embargo europeu por isso lhes ir afectar as suas actuais quotas nesse mercado. [17] É caso para perguntar se a preocupação à volta deste assunto se situa na preservação do equilíbrio ou apenas na preservação de mercados!

Conforme já foi dito acima, a China tem procurado convencer vizinhos e o Mundo em geral de que não tem intenções agressivas mas continua a haver um grande défice de transparência nas suas práticas, deixando em dúvida os seus verdadeiros propósitos. Uma das áreas em que isso mais se faz sentir é a área militar onde se suspeita, com boas razões, de que o crescimento do respectivo orçamento é significativamente superior ao declarado pelo Governo. Dois exemplos: todas as despesas com compras no estrangeiro e os encargos com Investigação e Desenvolvimento não são incluídos no orçamento da Defesa; entre 1992 e 1998, as Forças Armadas chinesas foram autorizadas a manter actividades paralelas de carácter económico (parcialmente possibilitadas pela reconversão das suas indústrias de Defesa) como meio de atenuar as insuficiências do orçamento, uma situação que permanece hoje porque a hierarquia militar só abdicou, neste campo, em relação às empresas não lucrativas. [18] Oficialmente, o porta-voz do Congresso Nacional Chinês, anunciou para o ano corrente o orçamento de 29,9 mil milhões de dólares, o que corresponde a um crescimento de 12,6 %; nos três anos anteriores, entre 2002 e 2004, os crescimentos tinham-se situado, respectivamente, em 17,6, 9,6 e 11,6%. Muitos observadores vêm nestes números boas razões de inquietação [19] , mas raramente se equaciona o problema em termos comparativos, por exemplo, com o orçamento dos EUA (400 mil milhões), mesmo tendo em conta que em vez dos 29,9 mil milhões de dólares do orçamento chinês poderão ser duas ou mesmo três vezes mais. Em qualquer caso é mais uma área de desafio que se levanta, em especial para os EUA; mas os mais importantes continuam a ser sobretudo o económico e o diplomático.

[1] “A Grand Chessboard”, by Ashley J. Tellis, in Foreign Policy, Jan/Feb 2005, Beijing seeks to reasssure the world that it is a gentle giant.

[2] Respectivamente, conselheiro no Center for Strategic and International Studies e professor de Ciência Política na Universidade de Chicago.

[3] IHT, 27 Jan 2005, Katrin Bennhold.

[4] “Why is China growing so slowly?” in Foreign Policy, Jan/Feb 2005.

[5] Alguns exemplos elucidativos, retirados da imprensa internacional: “China has been hit by a series of large scale robberies inrecent years. Consider what happened in just the first two monthsof 2005. First, a branch manager of the Bank of China disappeared with more than $100 million in cash. A few weeks later, dozens of emplyes of another commercial bank were arrested for conspiring to steel nearly $billions in funds. And then a branch manager from the China Construction Branch, Zhang Enzhao, apparently fled the country with about $8 millions in cash”. “Corruption is presavive in China. A lot of state-owned companies have been simply stripped clean”. “In the last four years, at least 25 government officials have been sentenced to death for accepting bribes and kickbacks. Hundreds more are serving long prison terms. On March 9, the government announced that 58000 people had been opunished for misappropriating money or making unauthorized loans at just two of the big four state-owned banks”. “In january, the government said four big staterun asset management companies engaged in illegal practices that involved $800 millions”. (IHT, 23 Mar 2005, by David Barboza).

[6] Ver sobre este mesmo assunto o artigo “Assim vai o Mundo (7) de 28 de Setembro de 2004.

[7] Minxin Pei, director do Programa Ch ina no Carnegie Endowment for International Peace .

[8] The Economist, 13 de Novembro de 2004 ( “The emperor is not always obeyed ”)

[9] “China´s economic reforms have significantly affected the rural, agricultural society, and World Trade Organization requirements will continue to undercut the commune system and local farmer system in favor of massive industrial farms – ones with sigificantly with fewer emplyees. Rural labors then flock to the coastal cities, where they are treated as migrants and outcasts ans subject to discrimination, low paying jobs and tough labor conditions”. “After all, it was this same proletariat mass that Mao led in the Communist revolution of the 1940s, and Beijing is well aware of its potential strength”. (Global Intel Brief, March 22, 2005 , Stratfor).

[10] The Economist, 19 March, “ Budgeting for harmony”.

[11] Foreign Affairs, Mar/Apr 2005, “Preventing a War over Taiwan” , Kenneth Lieberthal.

[12] IHT, 22 Mar 2005, Judy Dempsey.

[13] A UE, de facto, vendeu material militar no valor de 416 milhões de dólares em 2003.

[14] Ver sobre este mesmo assunto os seguintes dois artigos: “Assim vai o Mundo (8) de 30 de Setembro de 2004, “Assim vai o Mundo (10) de 11 de Outubro de 2004, “Assim vai o Mundo (12) de 25 de Outubro de 2004 e “Assim vai o Mundo (17 ) de 8 de Dezembro de 2004.

[15] “China deserves a lifting on the arms embargo” , in Zaman Daily, by Cihan News Agency, 23 March 2005 .

[16] IHT, David Shambaught.

[17] Israel é um exportador de altas tecnologias militares para a China, na área dos sistemas de radar, telecomunicações, simuladores de voo, etc.

[18] Ver, sobre este assunto, a cuidada análise ”Tentando aferir a dimensão do orçamento da Defesa chinês, do capitão Infantaria Manuel Alexandre G. Carriço, Revista Militar, nº 4 – Abril de 2003 – páginas 359-388. “Os receios têm por base a existência de um certo grau de opacidade e de dúbio cálculo na determinação do orçamento da Defesa chinês, o qual tende a ser apenas a ponta do iceberg associado aos gastos com a defesa nacional”.

[19] Ver sobre este mesmo assunto “A evolução da Estratégia de Defesa Naval Chinesa e o processo de modernização em curso: a questão do porta-aviões”, um interessante artigo do capitão Infantaria Manuel Alexandre G. Carriço, Revista Militar, nº12, Dezembro de 2002, páginas 983/1023.

publicado por jambros às 16:51
link do post | comentar | favorito
|

PAIGC: uma história de conspiração interna e exclusão de militantes

PAIGC.jpg
Por VNN Staff / Nelson Herbert, of Voice of America

O PAIGC é talvez, dos partidos da independência das antigas colónias portuguesas em África, o que mais turbulência tem experimentado por altura da realização de reuniões magnas.

Os factos remontam ao longínquo ano de 1964, quando de 13 a 17 de Fevereiro o partido da independência da Guiné-Bissau, reuniu pela primeira vez na tabanca de Cassacá, no sul do país, o seu congresso, num momento crucial para a definição e correcção das rotas a navegação da gesta da libertação.

Das matas, onde se estalara um mês antes a guerra de guerrilha do PAIGC, chegavam notícias de desvios, de excessos e de exageros cometidos por alguns dos comandantes militares, tendo contraditoriamente por alvo as populações, de cujo apoio dependia o sucesso do movimento libertador da então Guine portuguesa.

Cassacá foi essencialmente o congresso da aplicação do correctivo que a então situação requeria. Marcada por uma expurga a larga dimensão, vários dirigentes e comandantes militares foram na altura criticados em público, denunciados pela população, expulsos do partido e os casos de traição irremediável entregues aos tribunais do povo. Vivia-se a primeira manifestação de depuração interna.

Vários nomes desaparecem então de cena e nesse mesmo congresso era fundado as Forças Armadas Revolucionárias do Povo, as FARP, o braço armado do movimento libertador.

Pela sua importância ao movimento libertação guineense e no lançamento dos pilares da construção futura de um estado independente, Cassacá é por sinal o único evento, a única reunião magna do PAIGC, que conseguiu sobrepor-se à barreira partidária e afirmar-se como referência na própria história do país.
O Congresso de 1973

De 18 a 22 de Julho de 1973, o PAIGC reunia nas zonas libertadas do leste do país, o seu II congresso... num momento crucial para o movimento de libertação, e um pouco mais de seis meses volvidos sobre o assassinato em Conacri do líder histórico, Amílcar Cabral.
Tal como em Cassacá, o momento era o da superação das divergências internas do partido mergulhado num clima de desconfiança, conspiração e sobretudo de desmobilização.

No fundo, era urgente salvar o partido e sobretudo eleger uma nova liderança, capaz de conduzir a guerrilha, ao golpe de misericórdia e ao descalabro da presença colonial, cujo fim se avizinhava de há muito nas matas da Guiné.

Neste congresso, o primeiro por sinal depois do assassinato de Amílcar Cabral, Aristides Pereira é eleito para o cargo de secretário-geral contra a aparente vontade de um grupo de responsáveis partidários guineenses, liderados por Fidélis Cabral de Almada que se posicionara, na altura, a favor da escolha de Nino Vieira, na corrente de sucessão de Amílcar Cabral.

Seria o reacender das clivagens partidárias internas, de cunho racial e tribal.
Num ambiente de divergências recalcadas e adiadas, o inconformismo e o descontentamento interno do PAIGC resultante por certo de questões mal resolvidas no congresso de 1973, viria então a se acentuar e a se manifestar em 1977, já no pós independência e durante o III congresso do partido. Tal como em Cassacá, em 1964, persistiam os problemas com as chefias ou a oficialidade militar balanta.

O III Congresso de 1977

O congresso de 1977, acabaria por representar o prelúdio do golpe militar de 14 de Novembro de 1980, que levaria ao derrube do regime do então presidente Luís Cabral e ao desmantelamento do projecto de unidade Guiné-Cabo Verde.

Meses depois e na sua primeira reunião magna de carácter extraordinário, em Bissau, Nino Vieira, então líder do Movimento Reajustador de 14 de Novembro seria confirmado na liderança do PAIGC, partido que insistia entretanto, em manter a sigla C na sua designação, quiçá por uma simples referência histórica sem entretanto nenhuma consistência prática e territorial.

Em 1991, no âmbito do V congresso, as divergências internas do PAIGC voltariam a ribalta da cena politica guineense, nas vésperas da abertura política do país e do regime, ao multipartidarismo.

O partido procede então a sua maior expurga interna, marcada pela expulsão da maior parte dos intelectuais daquela formação partidária, que se constituíram no chamado grupo dos 121.

Desfecho similar teria o congresso extraordinário de Maio de 1998, em que a liderança partidária de Nino Vieira, faz frente, e pela primeira vez, a uma ousada lista alternativa liderada por Manuel Saturnino Costa, a um clima de pressão no sentido do apuramento de responsabilidades no escândalo de tráfico de armas para os rebeldes independentistas do Casamance, a denúncias de posturas e opções tribalistas e racistas no seio do partido, e sobretudo a uma situação de excessiva partidarizaçao das forças armadas nacionais, supostamente republicanas.

Um mês depois a Guiné-Bissau mergulhava-se numa guerra civil que culminaria 1999, no derrube de Nino Vieira.

Fiel a sua natureza masoquista, para alguns, a determinação politica na resolução dos problemas internos do partido para outros, mais de meio século volvidos sobre fundação do partido, o PAIGC volta a reunir, a partir de 18 a 20 corrente, o seu V Congresso extraordinário que terá como pano de fundo a afirmação do ex-partido governamental e alterações dos estatutos, que actualmente impedem a expulsão de dirigentes.
O congresso, não electivo, decorrerá em Morés, uma pequena localidade situada 140 quilómetros a norte de Bissau, e local simbólico dos tempos da guerrilha pela independência.

As questões internas dentro do PAIGC serão o ponto alto do congresso, convocado expressamente com esse fim, pouco depois de "Nino" Vieira ter assumido a presidência guineense, a 1 de Outubro, arrastando, consigo, os dirigentes e militantes do PAIGC que o apoiaram, como candidato independente, nas eleições presidenciais.

O regresso de Nino Vieira

Entre esses dirigentes figuram altos responsáveis do partido, nomeadamente o primeiro vice-presidente do PAIGC, Aristides Gomes, suspenso da força política vencedora das legislativas de 2004 em Abril deste ano, entretanto nomeado e empossado a 9 de Novembro como novo primeiro-ministro, na sequência de um decreto presidencial de Nino Vieira.

Sob o lema reafirmação e estabilidade do PAIGC, tal como nos eventos anteriores, neste V Congresso extraordinário de Mores e de se esperar que o espírito de exclusão e de expurga partidária interna venha a se apoderar das emoções dos camaradas e por conseguinte, cabeças venham a rolar no terreiro...

Resta entretanto saber, até que ponto o partido dos ”camaradas” conseguirá, de mais este jogo de “inclusões” e “exclusões” de militantes e responsáveis partidários, tão antiga como a própria história da sua existência, refazer-se da conflitual idade interna e ressentimentos, que decorrem normalmente dos seus congressos.


publicado por jambros às 14:13
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. ...

. Tajudeen Abdul-Raheem pos...

. PAIGC: uma história de co...

. A última Imagem da Guiné:...

. Amílcar Cabral, na pele d...

. Sobre "A Hora da Verdade"...

. Olhares de fora - A mudan...

. As próximas décadas - Ten...

. Bissau

. ...

.arquivos

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds