Sexta-feira, 25 de Agosto de 2006

Sobre "A Hora da Verdade" - novo livro de José Manuel Mendes Pereira

Hora da verdade 4.jpg
Revelação n.º 2, Edição do autor, 338 páginas, s/ data.

Hoje, chegou-me as mãos o livro (Revelação n.º 2, não tive acesso ao n.º 1) de José Manuel Mendes Pereira intitulado “A Hora da Verdade” – Incúrias e Contrabandos”. Como não podia deixar de ser, li-o de um só fôlego e, por isso, reconheço que preciso de tempo para melhor o digerir, após uma segunda e mais atenta leitura, pois não é recomendável que sobre ele produza opiniões sem um espírito despido de emoções, positivas ou negativas, tal o calafrio que em mim provocou o ambiente escabroso que grassou e grassa nas Forças Armadas guineenses e que o autor de alguma maneira procurou trazer ao de cima.

Desde logo, curiosamente, notei a existência de fortes paralelismos (certamente não fortuitos) entre este livro de José Manuel Mendes Pereira e o de Queba Sambú (“Ordem para Matar”), tratando-se, tanto num caso como noutro, de autores que foram ou são elementos das Forças Armadas guineenses, ligados aos serviços da segurança de Estado e da contra-inteligência militar e que resolveram contar em livro a sua “verdade”, trazendo ambos à colação assuntos e documentos até aí desconhecidos do grande público.

Voltaremos neste espaço, tentando identificar os paralelismos referidos, tanto mais que para lá das eventuais outras ilações a tirar e da justeza dos juízos de valor emitidos pelos autores – ressalta imediatamente, tanto num como noutro livro, a conclusão, provisória que seja, de que um dos maiores “Calcanhar de Aquiles” da Guiné-Bissau, senão mesmo o mais pernicioso, é justamente aquele que se prende aos vários assuntos ligados às Forças Armadas do país e aos serviços da Segurança de Estado, mormente o indissociável e recorrente problema da corrupção e o uso da violência gratuita.

Livro enfadonho, este do José Manuel Mendes Pereira, porque entristece qualquer guineense verdadeiramente amante da Guiné-Bissau e da paz, mas é, concomitantemente, a justo título, tal como de resto o é também o de Queba Sambú, reflexo podre e escabroso, para não dizer asqueroso, do vil percurso trilhado pelas estruturas de poder na Guiné-Bissau, salvaguardando-se, obviamente, as poucas ou quase nulas excepções de outros sectores da sociedade que, desde a independência à esta parte, de alguma maneira escaparam a impiedosa influência deste perverso e negativamente ambiente, matizado pela corrupção, degradação moral e violência gratuita existente nas Forças Armadas e na sociedade guineense em geral, com o agravante de sermos forçados a constactar que, após uma violenta guerra civil que foi a expressão máxima desta atmosfera deletéria, estes e outros assuntos que se prendem às Forças Armadas guineenses não foram erradicados nos dias que correm(afinal, não se-los miraculosamente), antes, pelo contrário, continuando a influenciar negativamente o país, interna e externamente.

Como quer que seja, podemos desde já avançar que este livro põe evidência o facto de ter sido completamente quebrado, no complexo processo político da Guiné-Bissau, o equilíbrio entre a sociedade civil, o sector privado, os sindicatos e o Estado. Aliás, é desse desequilíbrio que resultou um Estado autoritário e sobredimensionado, a inexistência de uma oposição forte, para além de uma sociedade civil quase sem voz.

Esta situação agudizou-se com a guerra civil e só praticamente agora começou-se novamente a assistir ao ressurgimento ténue e gradual do sector privado, à diversidade sindical e ao (re)aparecimento de organizações não governamentais. Mas tal desequilíbrio está ainda longe de ser ultrapassado. O sector privado não constitui ainda massa crítica suficiente para influenciar as decisões do Governo, pois nem sequer é tomado como interlocutor em discussões de concertação social. A oposição política ganha outra dinâmica numa situação de paz, mas continua ainda bastante débil. A criação de organizações não governamentais transformou-se num rendoso negócio e vem tirando credibilidade ao papel que este tipo de instituições pode desempenhar.

Os intelectuais, que já se demarcavam na altura do Estado autoritário, demarcam-se hoje ainda mais face a práticas de governação pouco recomendáveis. Como consequência desse alheamento, o papel fundamental de conceber e implementar políticas para a promoção do desenvolvimento ressentiu-se fortemente no país, na medida em que uma das grandes debilidades que evidencia o actual quadro, a par de um deficiente funcionamento da administração estatal, prende-se justamente com a dificuldade em conceber e implementar políticas de longo prazo, pois são pouco conhecidos os trabalhos que evidenciem um planeamento estratégico de longo prazo de que o país tanto precisa.

Porém, da tristeza provocada pelas “verdades” que o José Manuel patenteou no seu livro, ocorre dizer que, em termos da nossa evolução estratégico-estrutural, apesar de tudo, não temos que nos deixar influenciar pelas circunstâncias actuais, pois nada está ganho e nada está perdido. Tudo está nas nossas mãos e nas dos nossos descendentes, por uma razão: a História não conhece impasses. Guiné-Bissau não é efémero do tempo que passa; é o contínuo que resulta do passado, no presente e para o futuro, da vontade dos guineenses.

Importa pois compreender, avaliar e fazer progredir o quadro estrutural (tempo; espaço; as coisas; os homens) na sua realidade única, que é a do longo prazo. A perspectiva duradoura da história do futuro é feita em cada momento, com cada acção, e resulta, conceptualmente, das articulações entre dois binários: Teoria e História; e História e Prospectiva.

É nesse quadro que abordaremos proximamente este livro de José Manuel Mendes Pereira, a quem felicito pela iniciativa, independentemente do facto de concordar ou não com as asserções fundamentais nele contidas.

Leopoldo Amado

NOTA:

Há dias, a RDP-África noticiou a prisão de alguns elementos das Forças Armadas guineenses e, como que por pressão interna e externa, os órgãos de comunicação, tanto nacionais como estrangeiros, deixaram curiosamente de acompanhar o assunto.

Porém, dentre os elementos presos e acusados ora de tentativa de golpe de Estado ora de tentativa de assassinar Tagma na Wai, Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas, figuram, entre outros, altas patentes como o Lamine Sanhá, Tchambu Mané e Lamine Sissé, curiosamente, todos mandingas e ex-apoiantes de Ansumane Mané, líder da rebelião que derrubou o Presidente Nino Vieira em 1998 e alegadamente assassinado em Novembro de 2000, durante o consulado de Kumba Yalá como Presidente da República.

Recorde-se, no entanto, que alguns dos militares agora presos, estiveram também detidos e afastados por longo tempo das fileiras militares, na sequência dos tumultos que conduziram a morte de Ansumane Mané. Porém, reintegrados no Exército, são agora novamente presos, sob a acusação de tentativa de golpe de Estado e tentativa de asassinar Tagma na Wai, actual Chefe de Estado-Maior das Forças Armadas.

Após a leitura “en passant” do livro de José Manuel Mendes Pereira (e igualmente o de Queba Sambú), o mínimo que se pode concluir – esperamos estar enganados! – é que as rixas e a confrontação surda, sempre patentes nas Forças Armadas, entre os mandingas e balantas (etnias tradicionalmente maioritárias na sociedade castrense), a par das fortes projecções que estas disputas e quezílias se reproduzem no poder civil, prosseguem o seu curso normal nas Forças Armadas guineenses e, por arrasto, também em torno das estruturas do Estado da Guiné-Bissau.

Oxalá os “Estados Gerais”, a Missão Especial do Secretário-geral as Nações Unidas (UNOGBIS), a sociedade civil guineense, a CPLP e a própria Comunidade Internacional possam rapidamente consciencializar-se dessa incontornável realidade para que se possa acautelar, enquanto é tempo, dessa atmosfera de sintomática e frágil paz social, aliás, cujos sinais evidentes, de resto, chegam-nos novamente da Guiné-Bissau.

Leopoldo Amado
publicado por jambros às 21:08
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De africamente a 5 de Fevereiro de 2007 às 21:20
www.africamente.com : um novo espaco de amizades e encontros, com videochat, mapas, blogs, albuns de fotos, videoteca, música e noticias !


De Aquiles Coelho Mendes Pereira a 22 de Junho de 2012 às 15:52
Ola Jose meu nome e Aquiles Coelho mendes Pereira, e estou procurando por indicios de meu bizavo Aquiles Lucio Mendes Pereira sei de informaçoes que foi para africa dedaca de 50 se souberes de algo, qualquer coisa me ajuda.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. ...

. Tajudeen Abdul-Raheem pos...

. PAIGC: uma história de co...

. A última Imagem da Guiné:...

. Amílcar Cabral, na pele d...

. Sobre "A Hora da Verdade"...

. Olhares de fora - A mudan...

. As próximas décadas - Ten...

. Bissau

. ...

.arquivos

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds