Domingo, 21 de Maio de 2006

A RECONCILIACÃO NACIONAL NA GUINÉ É « AQUELA FICHA » ! - Dixit Malam Bacai Sanhá

Koty2.jpg
Por : Norberto Tavares de Carvalho, «O Cote»

Caros amigos defensores dos direitos do Homem,

O Sr. Bacai Sanhá parece ter descoberto a fórmula mágica para unir os guineenses. Trata-se da « reconciliação nacional » que, segundo as suas declarações (1), significa entre outros, o « entendimento…entre os máximos responsáveis pelo último processo eleitoral ».
Só que, no entender da poda, o Sr. Bacai Sanhá, que, digo já de antemão, merece toda a minha consideração, está colocando a carroça antes do boi. Por exemplo, com uma simplicidade extravagante, propõe a criação de um « Governo de Unidade Nacional » (GUN) que lançaria as bases de um « processo de reconciliação nacional que envolveria também o PAIGC ». Nada mau. Só que o « nacional », aqui, parece estar restringido num GUN e no PAIGC. Ou ainda « Temos de dar o exemplo para que possa haver ‘aquela reconciliação’ da grande família do PAIGC… » (Como quem diz : « A reconciliação nacional é ‘aquela ficha !’ »). Mas de que reconciliação nacional se trata ?
Se a reconciliação no PAIGC é um pressuposto para o lançamento do grande processo de reconciliação nacional na Guiné, está tudo bem. Se a « reconciliação nacional » não é mais do que o restabelecimento das relações autrora de cumplicidade entre o Presidente do PAIGC e o seu rival, o Sr. Bernardo Vieira, está tudo usurpado. Infelizmente, pelos dizeres do Sr. Bacai Sanhá, tudo leva a crer de que se trata do segundo caso. Quer dizer que uma vez normalizado o trato entre os dois concorrentes, poder-se-á concluir que a reconciliação nacional está ganha na Guiné. Isto quer ainda dizer que a relação de costas viradas que os dois ex-comparsas entretêm é o que impede a reconciliação nacional. Eu quero defender aqui que isto não é verdade, que tal não se trata de « reconciliação nacional » nenhuma mas sim da política da má intenção do avestruz.
A paz supõe um debate sobre a reconciliação nacional, e este debate implica a possibilidade de participação de toda a sociedade guineense e não só de uma ridícula minoria. Se o Sr. Bacai Sanhá quer de facto falar da reconciliação da nação guineense, que equacione então todos os elementos. É salutar que este dever moral ou esta atitude nacional e republicana comece a interessar os políticos, mas é bom parar com a valsa das demagogias e da falta de uma visão global sobre o assunto. Pois me parece que o que se preconiza de novo na Guiné não passa da intenção do velho poder reinstalado de limitar, arbitrar e reprimir toda a tentativa de vasculhar os crimes do passado com o fim de impor uma « História oficial » desviada da verdade. Por isso se reduz o tema num perímetro abusivamente designado de «nacional».
Porque até à data actual, toda a veleidade de contestação desta « História », que seja na Guiné ou no estrangeiro, recebe a reprovação das autoridades guineenses e dos seus embaixadores. Amedrontando desta maneira o debate, o poder autoriza-se a instrumentalizar as feridas da tragédia nacional, a fragilizar o tecido social, a desonrar os que serviram a Pátria de maneira digna, a sujar a imagem dos guineenses no palco internacional e a hipotecar o processo democrático.





O Sr. Bacai Sanhá deve avaliar as suas declarações e compreender que ao afastar o debate do seu fulcro essencial, contribui a perpetuar a impunidade dos crimes e outros atropelos cometidos durante os tempos da ditadura e do desconcertante governo kumbayalista.

Deve ser evidente que a paz eventualmente negociada entre o Sr Gomes Júnior e o actual Presidente, terá sido uma reconciliação entre dois antigos cúmplices que, contas feitas, não tem nada a ver com o PAIGC, Governo ou Presidência. Porque, concretamente, o que se passa entre os dois é a clara estratégia da utilização de reféns num sinistro jogo de conflitos pessoais. Como sempre, quem paga é o povo guineense que já está de certeza farto de ser constituído penhor nos ajustes de contas resultantes de falhados pactos entre diabos.
Num verdadeiro processo de reconciliação nacional os debates têm que ser abertos e levados a cabo com a participação dos guineenses dos dois sexos e de maneira nenhuma redutíveis nem ditados do topo do poder. E na elaboração do processo, devem tomar parte as vítimas das violações dos direitos humanos que devem poder tratar as suas

reivindicações, reparações e aspirações. Não se pode imaginar que temas de tão relevada importância possam ser sugeridos de maneira reflectida e em conhecimento de causa, sem a promoção deste largo debate abrangendo toda a sociedade.

Os guineenses estão ainda a viver num estado de sítio em que os órgãos da imprensa oral e escrita são sistematicamente confrontados às pressões das autoridades, as liberdades civis estão limitadas e o poder continua a utilizar discursos intimidantes para semear a discórdia (3). E isto, desde os tempos em que os Senhores Gomes Júnior e Bernardo Vieira andavam abraçados.
Neste exercício de mediocracia, a unidade nacional peca cada vez mais e acaba por se redundar às calendas gregas.
O Sr. Bacai Sanhá deve lembrar-se, por exemplo, da maneira como os espanhóis trataram o mesmo sujeito à volta das valas do General Franco ou mais recentemente o caso do « Projecto do memorando pela paz e a reconciliação » referendado em Argélia em Setembro de 2005. Pode-se criticar estes processos mas não são obras de varinhas mágicas.
É evidente que há urgência em accionar os mecanismos institucionais para promover o debate sobre a reconciliação nacional na Guiné, mas, por favor, que parem as amalgamas e que deixem de lançar pólvoras nos olhos dos cidadãos.

(1) - Veiculadas nas « Notícias Lusófonas » do 20 de Abril de 2006
(2) - Idem.
(3) - Refiro-me às declarações incendiárias do Sr. Tagme Na Wai, General do exército, no caso casamancês.
publicado por jambros às 13:35
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. ...

. Tajudeen Abdul-Raheem pos...

. PAIGC: uma história de co...

. A última Imagem da Guiné:...

. Amílcar Cabral, na pele d...

. Sobre "A Hora da Verdade"...

. Olhares de fora - A mudan...

. As próximas décadas - Ten...

. Bissau

. ...

.arquivos

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds