Terça-feira, 19 de Setembro de 2006

...

Ki-Zerbo e Leo.jpg
2003 - Roma/Vaticano (Praça de S. Pedro) - Joseph Ki-zerbo e Leopoldo Amado


Bem-vindo ao LAMPARAM, espaço guineense de permuta de ideias, reflexões, análises e comentários. LAMPARAM – nome escolhido propositadamente para este espaço, justifica-se por verosimilhança – , pois é a palavra ou a expressão por que se designa no crioulo da Guiné-Bissau um engenho tradicional de propulsão normalmente utilizado nas plantações e nas bolanhas da Guiné-Bissau para afugentar a acção predatória das aves sobre as culturas.

Assim, você, nós e outros (guineenses e amigos de África e da Guiné-Bissau), somos todos bem-vindos ao LAMPARAM para dele nos servirmos e, desta forma, realizarmos livre e civilizadamente a propulsão do nosso "ethós", individual ou colectivamente, independentemente das diferenças de opinião ou de pontos de vista, conquanto possamos afugentar a intolerância e forjarmos, pela via do diálogo e da confrontação de ideais, a tão almejada quanto necessária união na diversidade.

Seja qual for o plano em que formos interpelados para apreciar a desunião que nos é peculiar, somos forçados a concluir energicamente pela afirmativa - o nosso dever e a nossa determinação incondicionável em alguma coisa fazer em prol da guineidade e da coesão social na Guiné-Bissau.

Julho 2005
publicado por jambros às 16:55
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Tajudeen Abdul-Raheem posed a question: Who is Afraid of China?

Tajudeen Abdul Rahem.jpg
Toyin Falola, Department of History, The University of Texas at Austin

His answer follows

It is difficult to read
western papers these days or watch their televisions
and listen to their radios without some Chinese
feature, news, information, disinformation and mis
information. Western policy makers are training their
future generations to learn mandarin. Chinese Studies
is booming in their universities while the
intelligence services are in frenzy recruiting any one
who could help them decipher the Chinese mind. Even
retired old China hands are being recalled from their
retirement back into active service.

China is being discussed in the West as a threat. A
threat to Western hegemony across the world mostly in
economic terms. Nowhere is this threat more
orchestrated than in Africa. If China is a threat to
the West should we worry when the West has always been
a threat to our very existence for centuries?

I was at one of those conferences on China in the
United Kingdom a few weeks ago. It was organised by
the highbrow New Labour policy think tank, Institute
for Public Policy Research (IPPR). The theme of the
Conference was 'China and Africa'. I went to the
conference with mixed feelings. I would have had no
problem if the theme had been ' Britain and China'.
But why would a British Institution be concerned about
China in Africa?

Should we not be having such meetings in Africa under
the auspices of our own governments, research centres,
NGOs and even the Private sector?

Of course this question is very rhetorical on my part.
I cannot plead naivety in these matters but still I
cannot help asking the question even if I know the
answers. Such is the ideological incapacitation (both
structurally induced and those seduced by complacency
and irresponsible leadership) of Africa these days
that even the poverty that majority of our peoples
suffer from have their experts in the West and
advocates in Western NGOs and other Western Do-Gooders
who put our pictures in the backgrounds of their
appeals. So bad is the situation that some African
countries even have Western Donor advisers to help
them negotiate in forums like the WTO where our
countries 'negotiate' with Western governments. It is
like the person whacking you also offering you a
handkerchief to wipe your tears! Oh Africa! Can
Turkeys really vote for an early Christmas?

That puts the IPPR conference in context. The West
has arrogated to itself the right to act, talk,
interpret and define African realities. Slavery,
colonialism, neo-colonialism / cold war and the
current recolonisation via globalisation provide the
historical template from which these attitudes are
drawn. They even define for us who are our enemies and
who are our friends!

But at every stage they have had willing
collaborators, apologists and active agents not only
at the highest level of our political society but also
civil society. Without African agency these inequities
could not have lasted this long. China is an example
of a country and peoples who have refused to give up
shaping their own destiny. Not that various
imperialist forces have not tried several times but
China has remained Chinese.

The current discourse in the West about China is very
much reminiscent of the Cold war days where the West
thought, acted and behaved as though Africa was its
exclusive preserve for exploitation and domination.
It's like a vulture scaring off other vultures from
its perch.

So the west is now warning Africa to be wary of China.
The alarm bells are sounded about many issues on which
China is vulnerable. One, China is after Africa's
Energy and other resources needed for its vastly
growing economy. Two, It does not respect human rights
at home and therefore will not give a damn about it in
Africa. Just check the list of China's new best
friends in Africa! Three, it does not care about the
cost to the environment of its energy and growth
needs. Four, in international affairs china only seek
the protection of Chinese interests no matter whose ox
is gored. For instance China continuously either
abstains from or prevent (or water down) any vote of
censure in the UN Security Council and General
Assembly against governments it is doing business with
whether it is the killer regime in Khartoum killing
its own peoples in Darfur or the illegitimate
government of Idris Deby in neighbouring Chad because
of Oil.

There are many other reasons why the West thinks
Africa should be wary of China. The interesting thing
is that all of these charges and many more are true of
China's foreign policy. But the bigger question is
that: are they not also true of Africa's relations
with the West? Do we need Westerners to tell us about
these when our physical body and body politic are
still suffering from similar forced encounter with the
West? How can the blackened Western pot really call
the Chinese porcelain kettle black?

Does this mean that there are no legitimate issues
that should concern Africans about China's deepening
engagement with Africa? There are many but we do not
need our former and current colonisers to give us
lectures on them. They are serial re- offenders when
it comes to exploiting Africa.

Africa can and should choose its own friends and
enemies though some enemies and friends may decide to
choose you.

There are many concerns that we must address. The
first one is China's bilateralism in relation to
Africa. While this may suit the short-term needs of
individual Leaders, it undermines our sub regional and
Pan African institutions and commitments. It replays
the colonialist divide and conquer tactics. Most of
our countries have no chance negotiating with China
alone. They will be gobbled up one by one. Two, the
influx of Chinese goods, services (including Criminal
gangs), migrants, is undermining our local economies
and attempts at regional integration. While the goods
are much cheaper than those from the West they are
also killing our nascent industries. Even areas where
we have had much progress in the past like textiles
are being killed off from the dumping of cheaper
Chinese products. As a Funtua man I should know about
this because the Chinese have taken over our biggest
industry, FUNTUA TEXTILES. Three, in the cold war days
China, like other Socialist states used to have three
principles governing their international relations.
These were: People to people, Party-to-Party and
Government-to-Government. These days China does only
Business to government and Government to Government.
Where it has any links with parties they are not
necessarily Communist parties (since China is also any
thing but communist in name only) but ruling parties
that can facilitate access for their businesses.

This is where the biggest challenge is both for
African CSOs, NGOs, other pro- people forces and China
itself: How do we engage with the Chinese and how can
the Chinese engage with us outside of the framework of
Government and Business given the lack of
institutional and historical knowledge on both sides
on that type of engagement?


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

O perigo chinês
Alexandre.jpg
por Alexandre Reis Rodrigues


O Governo chinês bem se tem esforçado para transmitir a ideia que o crescimento do país e um maior protagonismo na região não porá em causa a segurança a vizinhos e rivais; para não haver dúvidas, a inicial palavra de ordem de peaceful rise foi substituída por peaceful development e renovam-se as garantias de que, ao contrário do sucedido na ascensão de grandes potências no passado, os laços económicos que a China está a criar não só tornarão uma guerra menos possível como até serão um motor de desenvolvimento para os outros. [1]

Não obstante essas garantias, todos se interrogam sobre até que ponto podem confiar nestas promessas de crescimento e desenvolvimento pacíficos e as opiniões divergem, por vezes até radicalmente. Zbigniew Brzezinski e John J. Mearsheimer [2] mantiveram, em número recente da revista Foreign Policy , uma discussão breve sobre este assunto; o primeiro não vê na situação existente sinais de perigos enquanto o segundo acha que a China e os EUA estão a entrar numa situação de intensa competição, com considerável potencial para guerra.

Para Brzezinski, a China está principalmente interessada no desenvolvimento económico e em ser aceite como uma grande potência, apostando tudo nos dois maiores acontecimentos internacionais por cuja organização é responsável: os Jogos Olímpicos de 2008 e a World Expo de Shanghai em 2010. Ao nível estratégico, parece contentar-se com a dissuasão mínima de 24 mísseis balísticos com ogivas nucleares, capazes de atingirem território continental dos EUA, não obstante terem ameaçado desenvolver esse arsenal quando os EUA anunciaram o abandono do Tratado Anti-Mísseis Balísticos. Em qualquer caso, para Brzezinski, será precisamente a posse da arma nuclear, com a correspondente possibilidade de uma total eliminação das respectivas sociedades, que vai evitar um conflito directo.

Para Mearsheimeir, a China está já na procura de uma situação de hegemonia na sua região, tentando empurrar progressivamente os EUA para fora; seguidamente, da mesma forma que os EUA não toleram rivais, não prescindindo do seu estatuto de potência hegemónica, a China vai procurar que nenhuma outra potência rival domine qualquer outra região do Mundo. Ninguém pode antever o que pretenderá fazer de Taiwan dentro de vinte anos; porém, o mais provável é que tendo empurrado os EUA para fora da região o assunto será fácil de resolver. Em nenhum caso, para Mearshmeimeir, a necessidade de crescimento económico impedirá que actue militarmente, se alguma alteração importante ocorrer no actual statuo quo.

Os números respeitantes ao crescimento económico da China são de facto impressionantes; com um produto interno bruto de 1,4 triliões de dólares americanos em 2003, é bem possível – dizem os especialistas financeiros – que poderá ultrapassar o dos EUA em 2050, senão mesmo antes. No World Economic Forum , em Davos, em Janeiro deste ano, foi notória a sua muito activa diplomacia económica, numa ofensiva de diversificados contactos, abrangendo a União Europeia (sendo já os maiores parceiros comerciais de cada um), a América Latina (acordos comerciais) e África (acordos petrolíferos). Uma das suas metas é conseguir colocar 50 empresas chinesas na tabela das 500 mais importantes seleccionadas pela Fortune . [3] Segundo alguns analistas, em 2020, a Ásia será um dos principais motores da economia mundial com a China e a Índia a tirarem o melhor partido da globalização, graças a uma mão-de-obra enorme e extremamente barata. Calcula-se, devido a estas circunstâncias, que a possibilidade de ocorrência de conflitos (escalada de conflitos) nos próximos 15 anos será mais baixa do que em qualquer outra altura durante o século XX.

Se, porém compararmos, como sugere Martin Wolf [4] , o ritmo de crescimento da China com outros em situações idênticas de acelerado desenvolvimento chegaremos rapidamente à conclusão que afinal o caso chinês não será tão especular como isso. Por exemplo, enquanto o PIB chinês cresceu em média 6,1 % ao ano entre 1978 e 2003, ou seja 337% no período (25 anos) o Japão em 23 anos, entre 1950 e 1973, cresceu 490%. A Coreia do Sul, outro possível exemplo, cresceu em média 7,6% por ano entre 1962 e 1990,e Taiwan 6,35 entre 1958 e 1990. Em comparação com os EUA, o PIB per capita chinês no início da actual fase de crescimento económico era um vinte avos do americano; passados 25 anos de crescimento, passou a ser de um 15 avos, o que representa uma modesta aproximação.

A China vive um contexto ainda muito condicionado por muitas contradições do processo de transição para uma economia crescentemente de mercado, falta de transparência, diversos obstáculos sociais e políticos ao desenvolvimento económico, muita corrupção e limitado respeito por direitos de propriedade, cumprimento de contratos, etc. [5] Por isso não será de estranhar esta prestação mais fraca apesar de ser o país que mais atrai o investimento estrangeiro (60 mil milhões de dólares americanos em 2004 e 560 mil milhões entre 1979 e 2004).

Mesmo assim para a actual liderança chinesa, neste momento personalizada em Hu Jintao que acumula os três mais importantes cargos – líder do partido, presidente do país e presidente da influente Comissão das Forças Armadas – a prioridade vai em sentido exactamente contrário, para desacelerar um crescimento [6] que está a gerar riscos de instabilidade por agravamento das desigualdades que se estimam ter aumentado 50% entre 1980 e 1997. [7] No Congresso Nacional do Povo, a 5 de Março, o primeiro-ministro defendeu um crescimento do PIB de apenas 7% em vez dos 9,5% verificados em 2004 mas cada vez é mais difícil ao Governo Central ter mão firme sobre esta questão; dentro do processo de transição económico, as províncias ganharam capacidades de decisão até então detidas pelo Poder central, tendo o controlo dos investimentos passado do State Planning Commission para a menos autoritária National Development and Reform Commission . [8]

Continua a haver graves défices na educação, na saúde pública e na protecção do ambiente, situação eventualmente tornada mais complexa pelas intensas movimentações internas: nos últimos anos, as cidades chinesas absorveram cerca de 114 milhões de trabalhadores rurais e esperam-se, na próxima década, qualquer coisa com mais 250 a 300 milhões. Presentemente, os rendimentos nas cidades são, em média, estimados em estar cerca de 3,2 vezes acima dos salários nas áreas rurais, onde há também uma grave situação de generalizado sub-emprego. [9] A criação de uma “sociedade harmoniosa”, que desde Setembro do ano passado é uma prioridade do Governo chinês, foi a palavra de ordem para os 3000 delegados ao Congresso Nacional do Povo. [10]

Neste contexto, assumem particular importância três questões: a independência de Taiwan, o eventual levantamento do embargo europeu à venda de armamento e a do poder militar.

Taiwan passou de novo para as primeiras páginas dos jornais com o anúncio da aprovação da chamada lei da secessão, já ratificada pelo Congresso Nacional do Povo, no passado dia 8 de Março. Taiwan é, para todos os efeitos práticos, um país de facto independente desde 1949, quando os nacionalistas chineses derrotados por Mao Tse Tung abandonaram o continente e refugiaram-se na ilha. Os líderes comunistas chineses nunca aceitaram esta situação e continuam a insistir que a ilha é parte integrante do território chinês; até há pouco tempo, exigiam conversações sobre a reunificação e ameaçavam o uso da força se Taiwan continuasse a resistir a essa ideia. Presentemente, com a nova lei, o State Council (o topo da hierarquia política) e a Central Military Comission (o topo da hierarquia militar) ficam automaticamente autorizadas a usar a força em caso de declaração de independência por parte de Taiwan, para proteger a soberania e a integridade territorial.

Esta nova lei satisfará, certamente, as correntes mais nacionalistas cansadas dos activistas da independência e, em especial, das declarações provocativas do Presidente Chen Shui-bia de Taipe. Porém, na realidade, a lei em nada altera a anterior posição de Pequim nem contribui para uma solução desta disputa, porventura, uma das mais sérias e complexas e obviamente um gravíssimo risco para a segurança internacional; pior do que isso, retira credibilidade aos esforços que, desde há anos, a China está a fazer para consolidar uma imagem de país empenhado em manter um relacionamento pacífico com os seus vizinhos, sem qualquer intenção agressiva. Os EUA têm continuamente encorajado a procura de uma solução pacífica, recomendando o diálogo entre as partes, dentro do princípio que desde sempre têm mantido de que há apenas uma China; Colin Powell, na sua última visita a Pequim, foi muito claro ao dizer que “Taipe não é independente”. [11] Esta é, aliás, a posição das principais potências, mas isto não pode esconder o facto de que existe na Ilha um sentimento de identidade distinto do existente no Continente.

Segundo especialistas nesta área, a melhor solução e, eventualmente a única com alguma viabilidade, é conseguir uma forma de manter o statuo quo levando as duas partes a estabelecer negociações para um novo quadro que garanta estabilidade no Estreito a longo prazo, entre 20 a 30 anos. Porém, Pequim exigirá que o início das conversações seja precedido pela aceitação do princípio de que existe uma só China e Taipe argumentará dizendo que já são de facto independentes; estes obstáculos só poderão ser ultrapassados se for possível encontrar uma definição de independência que não comprometa as exigências de cada parte.

O problema do eventual levantamento do embargo à exportação de armamento, montado pela União Europeia na sequência dos incidentes de Tiananmen, em 1989, é uma questão que também interessa no âmbito das relações transatlânticas, dada a divergência de opiniões; foi, conforme amplamente divulgado, um dos temas de discussão durante a recente visita de Bush à Europa. Os EUA têm repetidamente chamado a atenção dos europeus para o perigo de uma alteração do equilíbrio militar na região, com uma liberalização de vendas de armamento para a China; a Secretária de Estado Codollezza Rice, lembrou de novo, na sua deslocação recente a seis países asiáticos, que nada devia [12] ser feito para alterar esse equilíbrio e que havia que ter presente que têm sido os EUA a assegurar a segurança no Pacífico.

Os europeus têm dito que o embargo foi sobretudo um sinal político para levar o Governo chinês a lamentar a forma como lidaram com os incidentes de Tiannamen a 4 de Junho de 1989, em que terão sido mortos entre 1500 a 2000 manifestantes, estando cerca de 2000 ainda presos, para além de algumas centenas que abandonaram o país. A verdade é que a China nunca lamentou esses acontecimentos e a situação de direitos humanos embora tendo melhorado continua muito longe dos padrões mínimos exigidos, conforme está amplamente testemunhado. Os defensores do levantamento do embargo, liderados pela França e Alemanha, acrescentam que o embargo em vigor nunca foi completo [13] , que a aprovação de uma nova versão do Código de Conduta de 1998 vai garantir que não será exportado material militar sensível e, finalmente, que a medida é necessária para permitir a normalização dos relações com a China. Só não é dito que as relações nunca foram tão boas como agora e que a França e a Alemanha estão empenhadíssimas em incrementar a suas exportações. [14] Chirac acrescenta que o levantamento do embargo “não quer dizer venda de armas”! Por sua vez, Solana diz que a China “merece o levantamento do embargo”. [15]

Alguns acontecimentos recentes podem, porém, alterar esta situação. O Reino Unido, pela voz do Jack Straw, entende que a aprovação da lei anti-secessão veio introduzir um novo dado e que por isso é necessário rever a intenção anterior de aprovar o levantamento do embargo, que estava previsto para Junho deste ano; note-se que o Reino Unido assumirá a presidência rotativa da UE em Julho. Na Alemanha, a oposição está a desencadear uma campanha no Parlamento que poderá dividir a coligação de Schroeder sobre este assunto e permitir uma votação contra o levantamento do embargo. Outros países europeus, a Holanda, a Finlândia e a Suécia estão também contra o levantamento; Portugal, que o apoiou, nomeadamente com declarações do Presidente da República na sua recente deslocação à China, está em risco de ficar isolado mas parece que a posição vai ser corrigida no sentido de defender um adiamento do levantamento do embargo sem, no entanto, o pôr em causa. A pressão americana sobre os europeus também não tem deixado de aumentar: ameaças do Congresso em suspender toda a transferência de tecnologias militares e total indisponibilidade para ouvir as explicações que Annalisa Gianella, enviada de Solana, sobre as razões europeias.


O embargo pode, de facto, ser simbólico mas o que poderá ser bem real são os impactos colaterais do seu eventual levantamento nomeadamente, entre outros aspectos, a possibilidade de a China poder retribuir com uma eventual opção pelo AIRBUS europeu em vez do Boeing americano. Falta apenas perguntar quem tem interesse na Europa que a China se modernize militarmente mais rapidamente. [16] A Rússia, a Austrália e Israel, todos também importantes fornecedores de armamento à China não estão obviamente nada interessados no levantamento do embargo europeu por isso lhes ir afectar as suas actuais quotas nesse mercado. [17] É caso para perguntar se a preocupação à volta deste assunto se situa na preservação do equilíbrio ou apenas na preservação de mercados!

Conforme já foi dito acima, a China tem procurado convencer vizinhos e o Mundo em geral de que não tem intenções agressivas mas continua a haver um grande défice de transparência nas suas práticas, deixando em dúvida os seus verdadeiros propósitos. Uma das áreas em que isso mais se faz sentir é a área militar onde se suspeita, com boas razões, de que o crescimento do respectivo orçamento é significativamente superior ao declarado pelo Governo. Dois exemplos: todas as despesas com compras no estrangeiro e os encargos com Investigação e Desenvolvimento não são incluídos no orçamento da Defesa; entre 1992 e 1998, as Forças Armadas chinesas foram autorizadas a manter actividades paralelas de carácter económico (parcialmente possibilitadas pela reconversão das suas indústrias de Defesa) como meio de atenuar as insuficiências do orçamento, uma situação que permanece hoje porque a hierarquia militar só abdicou, neste campo, em relação às empresas não lucrativas. [18] Oficialmente, o porta-voz do Congresso Nacional Chinês, anunciou para o ano corrente o orçamento de 29,9 mil milhões de dólares, o que corresponde a um crescimento de 12,6 %; nos três anos anteriores, entre 2002 e 2004, os crescimentos tinham-se situado, respectivamente, em 17,6, 9,6 e 11,6%. Muitos observadores vêm nestes números boas razões de inquietação [19] , mas raramente se equaciona o problema em termos comparativos, por exemplo, com o orçamento dos EUA (400 mil milhões), mesmo tendo em conta que em vez dos 29,9 mil milhões de dólares do orçamento chinês poderão ser duas ou mesmo três vezes mais. Em qualquer caso é mais uma área de desafio que se levanta, em especial para os EUA; mas os mais importantes continuam a ser sobretudo o económico e o diplomático.

[1] “A Grand Chessboard”, by Ashley J. Tellis, in Foreign Policy, Jan/Feb 2005, Beijing seeks to reasssure the world that it is a gentle giant.

[2] Respectivamente, conselheiro no Center for Strategic and International Studies e professor de Ciência Política na Universidade de Chicago.

[3] IHT, 27 Jan 2005, Katrin Bennhold.

[4] “Why is China growing so slowly?” in Foreign Policy, Jan/Feb 2005.

[5] Alguns exemplos elucidativos, retirados da imprensa internacional: “China has been hit by a series of large scale robberies inrecent years. Consider what happened in just the first two monthsof 2005. First, a branch manager of the Bank of China disappeared with more than $100 million in cash. A few weeks later, dozens of emplyes of another commercial bank were arrested for conspiring to steel nearly $billions in funds. And then a branch manager from the China Construction Branch, Zhang Enzhao, apparently fled the country with about $8 millions in cash”. “Corruption is presavive in China. A lot of state-owned companies have been simply stripped clean”. “In the last four years, at least 25 government officials have been sentenced to death for accepting bribes and kickbacks. Hundreds more are serving long prison terms. On March 9, the government announced that 58000 people had been opunished for misappropriating money or making unauthorized loans at just two of the big four state-owned banks”. “In january, the government said four big staterun asset management companies engaged in illegal practices that involved $800 millions”. (IHT, 23 Mar 2005, by David Barboza).

[6] Ver sobre este mesmo assunto o artigo “Assim vai o Mundo (7) de 28 de Setembro de 2004.

[7] Minxin Pei, director do Programa Ch ina no Carnegie Endowment for International Peace .

[8] The Economist, 13 de Novembro de 2004 ( “The emperor is not always obeyed ”)

[9] “China´s economic reforms have significantly affected the rural, agricultural society, and World Trade Organization requirements will continue to undercut the commune system and local farmer system in favor of massive industrial farms – ones with sigificantly with fewer emplyees. Rural labors then flock to the coastal cities, where they are treated as migrants and outcasts ans subject to discrimination, low paying jobs and tough labor conditions”. “After all, it was this same proletariat mass that Mao led in the Communist revolution of the 1940s, and Beijing is well aware of its potential strength”. (Global Intel Brief, March 22, 2005 , Stratfor).

[10] The Economist, 19 March, “ Budgeting for harmony”.

[11] Foreign Affairs, Mar/Apr 2005, “Preventing a War over Taiwan” , Kenneth Lieberthal.

[12] IHT, 22 Mar 2005, Judy Dempsey.

[13] A UE, de facto, vendeu material militar no valor de 416 milhões de dólares em 2003.

[14] Ver sobre este mesmo assunto os seguintes dois artigos: “Assim vai o Mundo (8) de 30 de Setembro de 2004, “Assim vai o Mundo (10) de 11 de Outubro de 2004, “Assim vai o Mundo (12) de 25 de Outubro de 2004 e “Assim vai o Mundo (17 ) de 8 de Dezembro de 2004.

[15] “China deserves a lifting on the arms embargo” , in Zaman Daily, by Cihan News Agency, 23 March 2005 .

[16] IHT, David Shambaught.

[17] Israel é um exportador de altas tecnologias militares para a China, na área dos sistemas de radar, telecomunicações, simuladores de voo, etc.

[18] Ver, sobre este assunto, a cuidada análise ”Tentando aferir a dimensão do orçamento da Defesa chinês, do capitão Infantaria Manuel Alexandre G. Carriço, Revista Militar, nº 4 – Abril de 2003 – páginas 359-388. “Os receios têm por base a existência de um certo grau de opacidade e de dúbio cálculo na determinação do orçamento da Defesa chinês, o qual tende a ser apenas a ponta do iceberg associado aos gastos com a defesa nacional”.

[19] Ver sobre este mesmo assunto “A evolução da Estratégia de Defesa Naval Chinesa e o processo de modernização em curso: a questão do porta-aviões”, um interessante artigo do capitão Infantaria Manuel Alexandre G. Carriço, Revista Militar, nº12, Dezembro de 2002, páginas 983/1023.

publicado por jambros às 16:51
link do post | comentar | favorito
|

PAIGC: uma história de conspiração interna e exclusão de militantes

PAIGC.jpg
Por VNN Staff / Nelson Herbert, of Voice of America

O PAIGC é talvez, dos partidos da independência das antigas colónias portuguesas em África, o que mais turbulência tem experimentado por altura da realização de reuniões magnas.

Os factos remontam ao longínquo ano de 1964, quando de 13 a 17 de Fevereiro o partido da independência da Guiné-Bissau, reuniu pela primeira vez na tabanca de Cassacá, no sul do país, o seu congresso, num momento crucial para a definição e correcção das rotas a navegação da gesta da libertação.

Das matas, onde se estalara um mês antes a guerra de guerrilha do PAIGC, chegavam notícias de desvios, de excessos e de exageros cometidos por alguns dos comandantes militares, tendo contraditoriamente por alvo as populações, de cujo apoio dependia o sucesso do movimento libertador da então Guine portuguesa.

Cassacá foi essencialmente o congresso da aplicação do correctivo que a então situação requeria. Marcada por uma expurga a larga dimensão, vários dirigentes e comandantes militares foram na altura criticados em público, denunciados pela população, expulsos do partido e os casos de traição irremediável entregues aos tribunais do povo. Vivia-se a primeira manifestação de depuração interna.

Vários nomes desaparecem então de cena e nesse mesmo congresso era fundado as Forças Armadas Revolucionárias do Povo, as FARP, o braço armado do movimento libertador.

Pela sua importância ao movimento libertação guineense e no lançamento dos pilares da construção futura de um estado independente, Cassacá é por sinal o único evento, a única reunião magna do PAIGC, que conseguiu sobrepor-se à barreira partidária e afirmar-se como referência na própria história do país.
O Congresso de 1973

De 18 a 22 de Julho de 1973, o PAIGC reunia nas zonas libertadas do leste do país, o seu II congresso... num momento crucial para o movimento de libertação, e um pouco mais de seis meses volvidos sobre o assassinato em Conacri do líder histórico, Amílcar Cabral.
Tal como em Cassacá, o momento era o da superação das divergências internas do partido mergulhado num clima de desconfiança, conspiração e sobretudo de desmobilização.

No fundo, era urgente salvar o partido e sobretudo eleger uma nova liderança, capaz de conduzir a guerrilha, ao golpe de misericórdia e ao descalabro da presença colonial, cujo fim se avizinhava de há muito nas matas da Guiné.

Neste congresso, o primeiro por sinal depois do assassinato de Amílcar Cabral, Aristides Pereira é eleito para o cargo de secretário-geral contra a aparente vontade de um grupo de responsáveis partidários guineenses, liderados por Fidélis Cabral de Almada que se posicionara, na altura, a favor da escolha de Nino Vieira, na corrente de sucessão de Amílcar Cabral.

Seria o reacender das clivagens partidárias internas, de cunho racial e tribal.
Num ambiente de divergências recalcadas e adiadas, o inconformismo e o descontentamento interno do PAIGC resultante por certo de questões mal resolvidas no congresso de 1973, viria então a se acentuar e a se manifestar em 1977, já no pós independência e durante o III congresso do partido. Tal como em Cassacá, em 1964, persistiam os problemas com as chefias ou a oficialidade militar balanta.

O III Congresso de 1977

O congresso de 1977, acabaria por representar o prelúdio do golpe militar de 14 de Novembro de 1980, que levaria ao derrube do regime do então presidente Luís Cabral e ao desmantelamento do projecto de unidade Guiné-Cabo Verde.

Meses depois e na sua primeira reunião magna de carácter extraordinário, em Bissau, Nino Vieira, então líder do Movimento Reajustador de 14 de Novembro seria confirmado na liderança do PAIGC, partido que insistia entretanto, em manter a sigla C na sua designação, quiçá por uma simples referência histórica sem entretanto nenhuma consistência prática e territorial.

Em 1991, no âmbito do V congresso, as divergências internas do PAIGC voltariam a ribalta da cena politica guineense, nas vésperas da abertura política do país e do regime, ao multipartidarismo.

O partido procede então a sua maior expurga interna, marcada pela expulsão da maior parte dos intelectuais daquela formação partidária, que se constituíram no chamado grupo dos 121.

Desfecho similar teria o congresso extraordinário de Maio de 1998, em que a liderança partidária de Nino Vieira, faz frente, e pela primeira vez, a uma ousada lista alternativa liderada por Manuel Saturnino Costa, a um clima de pressão no sentido do apuramento de responsabilidades no escândalo de tráfico de armas para os rebeldes independentistas do Casamance, a denúncias de posturas e opções tribalistas e racistas no seio do partido, e sobretudo a uma situação de excessiva partidarizaçao das forças armadas nacionais, supostamente republicanas.

Um mês depois a Guiné-Bissau mergulhava-se numa guerra civil que culminaria 1999, no derrube de Nino Vieira.

Fiel a sua natureza masoquista, para alguns, a determinação politica na resolução dos problemas internos do partido para outros, mais de meio século volvidos sobre fundação do partido, o PAIGC volta a reunir, a partir de 18 a 20 corrente, o seu V Congresso extraordinário que terá como pano de fundo a afirmação do ex-partido governamental e alterações dos estatutos, que actualmente impedem a expulsão de dirigentes.
O congresso, não electivo, decorrerá em Morés, uma pequena localidade situada 140 quilómetros a norte de Bissau, e local simbólico dos tempos da guerrilha pela independência.

As questões internas dentro do PAIGC serão o ponto alto do congresso, convocado expressamente com esse fim, pouco depois de "Nino" Vieira ter assumido a presidência guineense, a 1 de Outubro, arrastando, consigo, os dirigentes e militantes do PAIGC que o apoiaram, como candidato independente, nas eleições presidenciais.

O regresso de Nino Vieira

Entre esses dirigentes figuram altos responsáveis do partido, nomeadamente o primeiro vice-presidente do PAIGC, Aristides Gomes, suspenso da força política vencedora das legislativas de 2004 em Abril deste ano, entretanto nomeado e empossado a 9 de Novembro como novo primeiro-ministro, na sequência de um decreto presidencial de Nino Vieira.

Sob o lema reafirmação e estabilidade do PAIGC, tal como nos eventos anteriores, neste V Congresso extraordinário de Mores e de se esperar que o espírito de exclusão e de expurga partidária interna venha a se apoderar das emoções dos camaradas e por conseguinte, cabeças venham a rolar no terreiro...

Resta entretanto saber, até que ponto o partido dos ”camaradas” conseguirá, de mais este jogo de “inclusões” e “exclusões” de militantes e responsáveis partidários, tão antiga como a própria história da sua existência, refazer-se da conflitual idade interna e ressentimentos, que decorrem normalmente dos seus congressos.


publicado por jambros às 14:13
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 9 de Setembro de 2006

A última Imagem da Guiné: Hospitalidade e Corrupção

Guine_Bibliografia_Campanha_1965_1967.jpg
por: Manuel Domingues, In "Histórias de uma Guerra" (Relatos e Memórias dos Intervenientes), Edição do autor (com foto na capa), 2003, pp. 74-81.

A segunda oportunidade de deslocação à Guiné ocorre em 1981 e foi muito curta. Apenas uma rápida vista de olhos por Bissau, em ambiente descontraído e afável, ficando com a ideia de que o tempo tinha voltado para trás em relação a 1967, quando se observava a vida económica e social.

Até que finalmente em 1996 resolvi fazer uma viagem de saudade visitando os locais onde tinha decorrido a actividade do BCaç 1856.

Logo que desembarcado no aeroporto de Bissau, como turista, o movimento e a anarquia contrariavam tudo o que anteriormente retinha daquelas paragens. Centenas de pessoas no interior e exterior da aerogare acotovelando-se como mosquitos à noite procurando a luz dos candeeiros. Lá consigo romper e quando deixei aquele aperto sinto que a mala da máquina fotográfica estava mais leve. O aparelho tinha desaparecido. É a primeira constatação de que Bissau estava diferente. Nem em 1982, e muito menos antes da independência, a cidade era propícia a roubos.

Do ponto de vista físico a cidade mudou bastante. Ressalta o Bairro de Belém, bem como o Banco Internacional da Guiné-Bissau, construídos ainda pelos portugueses. Ao nível das instalações militares umas foram desactivadas, como a antiga messe de oficiais de Sta Luzia, agora transformada no Hotel 24 de Setembro, o Hospital Militar 241 praticamente em ruínas, e outras adaptadas, como o Quartel da Amura em que parte fora transformado em Museu e na outra instalado o Estado-maior. Nos edifícios civis a Casa Governo foi transformada nos Armazéns do Povo. Os edifícios que albergavam serviços da Administração, como o antigo Palácio do Governador, continuavam desempenhar funções semelhantes, embora com designações diferentes. Por outro lado das avultadas importâncias doadas pela cooperação restavam algumas construções modernas que contrastavam com o equilíbrio dos edifícios coloniais. Mas as mudanças mais profundas reflectiam-se no aspecto demográfico: a região de Bissau viu a sua população passar de 100.000 para 500.000 habitantes. A língua portuguesa foi secundarizada pelo crioulo e o francês, que era frequentemente ouvido nas ruas, reflectindo um cosmopolitismo inexistente nos tempos coloniais. O desenvolvimento do comércio ambulante foi exponencial com o mercado de Bandim a chamar a si mais de 70% da actividade comercial da Guiné. A falta de infrastruturas bem como do abastecimento regular de água e electricidade, e a inexistência de um sistema de recolha de lixos faziam de cada rua uma lixeira, onde chafurdavam porcos e jagudis (abutres), considerados os almeidas da Guiné. A população local continuava afável mas a convivência já era influenciada por estrangeiros, onde predominavam os senegaleses de Casamance, responsáveis pela maior parte dos roubos na cidade e que representavam um incómodo foco de instabilidade tolerado pelo Governo e odiado por grande parte da população. A delinquência era o resultado desta mistura a que se juntava a ausência de autoridade e controlo. O baixíssimo padrão de qualidade de vida estimulava a corrupção entre os agentes da autoridade e da classe política que se acusavam mutuamente. O regime assumia um cariz fortemente autoritário, na prática ditatorial, que a comunidade internacional pretendia democratizar para continuar com as dádivas, que eram desbaratadas ou desviadas dos seus fins pelos membros influentes do novo País. Estas são algumas das marcas mais salientes deste novo país, que continua na lista dos dez mais pobres do Mundo.

Na peregrinação que me propus fazer parti de Bissau, em jeep, por estrada alcatroada em direcção a Bafatá, passando por Nhacra, onde ainda se encontrava um posto emissor de rádio. Ao longo do caminho fui constatando que a vida nas aldeias continuava de forma idêntica assentando na agricultura de sobrevivência e nas pequenas trocas comerciais, agora mais monetárias. Constatei a novidade da difusão de cajueiros, que aliás justificavam o facto de a castanha de caju ter passado a adquirir importância de relevo nas exportações do novo país. Era igualmente visível o elevado número de militares, quer agrupados em postos de controlo, quer presentes nas povoações. Em Bafatá espera-me uma desilusão. De 2a maior cidade da Guiné, com grande actividade, resta uma urbe meio adormecida, com edifícios envelhecidos e degradados e com actividade comercial menos intensa do que na altura da nossa Comissão. Apenas alguns edifícios novos construídos, como sempre, por Organizações Não Governamentais, ONG, ligadas à cooperação internacional, indicam que algo pode estar a dinamizar a Região. Dispõe no entanto de telecomunicações, com algumas cabines telefónicas públicas a funcionar. O que é raro na Guiné!
Outra constatação que se impõe é de facto a presença das ONG, patente desde Bissau ao Gabú, e que constitui o balão de oxigénio de uma economia sem condições de sobrevivência.

Dizia-se em Bissau que o território da R. da Guiné-Bissau não chegaria para estender todas as notas recebidas da ajuda internacional. No entanto os destinatários dessas vultuosas quantias não eram necessariamente os guineenses em geral, mas apenas alguns privilegiados e poderosos.

Prossigo a caminhada para Nova Lamego, agora baptizada de novo como Gabú, onde o Comando e CCS do BCaç 1856 estiveram instalados durante cerca de 11 meses, de Maio de 1966 ate Abril de 1967.

À entrada do Gabú deparo-me com um quartel moderno que foi construído ainda pelos portugueses para substituir as instalações onde esteve o BCaç 1856 e a partir dai, durante cerca de 5 Kms, regista-se um movimento de peões e viaturas que me surpreende.

Finalmente Nova Lamego! Basicamente a sua estrutura regular mantém-se sendo apenas alterada por um cruzamento de estradas mais alargado que cortam a cidade no sentido N-S e O-E, transformando-a num centro vital, para as ligações internacionais com o Senegal e a Guiné Conakry. Com uma vida movimentada pela sua situação e pela abertura comercial aos países vizinhos transformou se na 2a cidade da Guine e viu a sua população aumentar oito vezes, desde a independência. Os quarteirões outrora isolados para albergarem o quartel, estão agora ocupados por casas comerciais As ruas apinhadas de gente e comércio ambulante, transmitem uma imagem de prosperidade. Junto à antiga administração, onde esteve alojada a CCaç 1416, antes de ser colocada em Madina do Boé, surgem edifícios novos e um conjunto turístico, que explora a caça e organiza excursões e safaris em toda a zona leste. Passo algumas horas a visitar os locais mais familiares nos tempos da nossa Comissão, desde as instalações do quartel, como disse agora ao serviço do comércio, ao c Clube, ainda em plena laboração, o aeroporto e o Posto Veterinário objecto de melhorias visíveis e finalmente no cemitério onde verifiquei, comovido, a manutenção das placas que ali deixamos, acrescidas das colocadas pelos que nos sucederam, demonstrando respeito pelos mortos, independentemente da sua origem.

No regresso resolvi parar em Contubuel, onde me estavam reservadas algumas surpresas.

Como nos velhos tempos a entrada de uma viatura numa povoação importante é recebida por grupos de crianças que com o seu espírito arguto c irrequieto provocam uma algazarra e se prontificam a invadir o Toyota com o objectivo de me conduzirem aos Homens Grandes da povoação. No calor do meio da tarde estavam os notáveis, com ar nobre e calmo próprio dos mandingas e fulas, em amena conversa à sombra de enormes e eternos mangueiros, local que numa povoação com a importância religiosa e cultural de Contubuel assume o estatuto de sagrado.

Imobilizada a viatura, vejo um dos dignitários, com o seu traje branco imaculado dirigir-se me e exclamar afavelmente " Alfero Domingo!!!". Incrédulo pergunto-lhe se me conhece e explica-me que era empregado na loja do libanês no Gabú, que ainda existia no tempo do BCaç 1856. Reavivada a minha memória conduz-me ao chefe religioso da Tabanca, em cujo séquito se integra, e faz as apresentações e traduções. Pede desculpa pelo seu fraco português, que ultimamente tem praticado pouco.

O chefe manda chamar um mais jovem com cerca de 40 anos que falava correctamente o português e através dele pretende obter informações sobre o meu trabalho em Portugal e o que me levou à Guiné e mais especialmente a Contubuel. Um pouco constrangido peço-lhe para transmitir que o que me traz à Guiné é uma romagem de saudade, como antigo expedicionário e constatar como as gentes do Gabú encaram o futuro do novo País. Refiro-lhe que tenho algum receio de ferir susceptibilidades pelo facto de ter militado do lado contrário.

À medida que vai traduzindo as minhas palavras, o rosto severo e altivo do Chefe vai -se abrindo e numa gargalhada discreta transmite me que os meus receios são infundados. O passado está enterrado e os portugueses continuam a ser bem vindos, existindo várias missões portuguesas de cooperação na região. O próprio intérprete refere que foi soldado do exército português e motorista do último comandante militar português no Gabú, não tendo sido objecto de qualquer descriminação após a independência.

A partir daqui a conversa decorreu, pelo menos do meu lado, de uma forma aberta, tendo-me sido referido que se sentiam abandonados pelo poder centralizado em Bissau. Os medicamentos e os livros que no tempo dos portugueses apetrechavam as escolas e o posto médico, agora escasseavam porque era tudo retido em Bissau e distribuído em maior quantidade sobretudo para os Balantas e outros que tinham combatido os portugueses. Mesmo as dádivas da cooperação, por exemplo em alfaias agrícolas e adubos, raramente chegavam a Contubuel, que continuava a ser um importante centro de influência islâmica, e a maior tabanca da Guiné, e por isso mesmo discriminada pelos políticos de Bissau. A independência inicialmente trouxe à sua população grandes melhorias, mas com o decorrer do tempo tudo vai faltando e os chefes das tabancas têm grande dificuldade em conter a impaciência das populações que viram a sua vida afectada também pelo regresso de muitos elementos que tinham abandonado a região há bastantes anos e que agora vinham reclamar as áreas de cultura e gado de outrora.

Explico a grande admiração que sentia pelo trabalho e atenção que os mandingas e os fulas dedicavam às crianças referindo a memória que guardava de algumas aulas a que assisti ao fim da tarde onde os mais velhos transmitiam os ensinamentos da vida e do Alcorão e que era uma das razões que me trazia especificamente a Contubuel.

Como em Portugal me mantinha informado sobre os problemas da Guiné trazia comigo algum material, como lápis, cadernos, jogos, brinquedos e livros infantis e algumas guloseimas, que gostaria de lhes deixar para depois distribuírem pelas crianças.

O ancião calou-se. Ficou pensativo por uns momentos e falou a meia voz com os seus pares. Com um ar resoluto e solene ordenou ao intérprete que chamasse as crianças para junto dele.

As crianças que, após a exploração da novidade tinham desaparecido, reaparecem, como por encanto, em número superior a uma trintena, com uma atitude de respeito e de curiosidade. O chefe vira se para mim e num crioulo estendível pede-me para eu próprio entregar as prendas às crianças.

Começo a fazer contas de cabeça e dou graças ao bom senso do meu colega da carga da TAP que quando lhe pedi um caixote de brinquedos e objectos escolares existentes a bordo para as crianças, ao saber que era para a Guiné me disse que sabia que estas crianças tinham falta de tudo e por isso mandava 60 quilos no porão com a indicação de mós entregarem à chegada a Bissau.

Foi uma cena que ficará para sempre na minha memória. As crianças mandingas com os olhos muito vivos e arregalados começaram por mexer nas miniaturas dos aviões, com gestos receosos, mas rapidamente enveredaram pelo ensaio de cores e a feitura de garatujadas na palma da mão com os lápis de cor e marcadores, num alarido e contentamento que contagiava o mais circunspecto. Isto tudo decorria debaixo do olhar protector e embevecido d Homens Grandes!

Falo mais um pouco com o Chefe, e, juntamente com o ex-empregado tiramos umas fotografias. Com a promessa de " até um dia" preparo-me para arrancar já que a noite vai cair e o desconhecimento da estrada provoca n alguns receios. Além disso tinham-me advertido que a passagem dos vários postos de controlo durante a noite é problemática, pela completa arbitrariedade da actuação dos militares, derivada do esquema de corrupção e estado (embriaguez em que geralmente se encontram ao fim do dia. Ao transmitir estes receios ao interprete este pede ao chefe se o deixa acompanhar-me até Bissau porque aproveitava para visitar uns familiares, regressando dois dias depois.

Assim foi. A sua presença acabou por constituir o meu salvo-conduto Combinamos que eu nunca deveria sair do jeep quando fossemos abordados ou mandados parar. Ele é que falaria sempre, até porque muito poucos militares entendiam, e muito menos falavam, português.
Alguns quilómetros à frente, logo a entrada de Bafatá, ainda no lusco-fusco deparámos com um aparato em que meia dúzia de militares, com ar desleixado estavam como plantados no meio do asfalto com 2 metralhadoras apontadas; ao eixo da via, e sem qualquer referenciação. Impedem a passagem a todos r veículos.

O intérprete diz-me que os conhece e que vai falar com eles. Ao fim de l longos minutos entra no jeep e lá continuamos, rumo a Nhacra, passando pó Bambadinca que contornamos.

A noite caía! A condução torna-se perigosa devido ao elevado número d ciclistas sem qualquer luz de presença e de peões que regressam dos trabalho do campo.

As povoações à borda da estrada estão envolvidas na mais absoluta: escuridão. Apenas um ou outro candeeiro a petróleo de alguma mercearia anuncia presença humana. Como é grande a diferença entre o dia e a noite nestas paragens!

Entretanto o meu acompanhante vai-me explicando como devemos actua1 no próximo posto de controlo fixo na estrada de Mansoa a Nhacra. Pergunta me se tenho cigarros ou whisky no carro ao que respondo afirmativamente pois tinha-me prevenido com alguns maços de Marlboro e frascos de whisky comprados a bordo e que continuavam no porta-bagagens. Digo-lhe que trago o passaporte comigo mas adverte-me que em caso algum devo referir ou mostrar tal documento, mas que me preparasse para ter de pagar alguns dólares ou escudos. O montante tinha que ser avaliado na altura.

Eram cerca das 19 horas e, entrados na estrada de Mansoa – Bissau, deparamo-nos com um posto de controlo que já tinha passado de manhã, quando me deslocava no sentido inverso, sem qualquer problema. Uma guarita iluminada por um petromax deixava adivinhar os contornos de uma barreira que cortava 2/3 da faixa de rodagem e lá dentro viam-se três militares enquanto outros, no exterior, eram detectáveis através de sombras disformes resultantes da luz do candeeiro. Paro o carro quase encostado à guarita e o meu companheiro de viagem sai prontamente dirigindo-se ao interior da mesma onde mantém um aceso diálogo com um dos elementos. Passado algum tempo vem ter comigo e diz-me que estamos com azar. O capitão, responsável pelo posto de controlo, foi a Bissau e só deve voltar lá para as 22 horas. Por outro lado como existe recolher obrigatório na zona circundante de Bissau e eu era estrangeiro só ele é que pode autorizar a continuação da viagem.

- E agora? Pergunto eu.

- Tenho que conversar com ele e ver qual a melhor maneira de o convencer, reponde-me ele, acrescentando: O medo dele é que o capitão regresse antes da? 22 Horas e se cruze connosco. Vai logo perguntar quem é que autorizou a nossa passagem e além disso tem outro controlo junto ao aeroporto que só não levantará problemas se tivermos autorização deste posto de Nhacra. O meu alferes vai ter que entrar com pelo menos 10 dólares para cada um dos três responsáveis.

- Tome 50 dólares, leve um volume de Marlboro e veja se consegue que nos garantam a entrada em Bissau sem mais problemas, disse eu já ansioso e preocupado seriamente com a situação.

O guia levou os dólares e deixou o tabaco. Passados quase 30 minutos lá apareceu com a solução. Trazia na mão uma folha de papel de bloco quadriculado, escrita, para entregar no posto de controlo de Bissalanca com a indicação de que disséssemos que vínhamos de Safim e fomos dar a Nhacra porque nos enganamos no caminho.

Devia entregar o volume de Marlboro ao elemento que estivesse de serviço
dizendo que era uma prenda do 2° comandante do posto de Nhacra. Se
encontrássemos alguma patrulha da Polícia teríamos de contar a mesma
história e dizer para contactar o capitão do posto de Nhacra. Convinha chegar
a Bissau o mais depressa possível, para evitar a possibilidade de um encontro
com o capitão.

Quando cerca das 21 horas arrumei o jeep no Hotel 24 de Setembro, e debaixo do chuveiro, comecei a rever o que me unha acontecido naquele dia c Fevereiro de 1996. Apercebi-me da triste realidade daquele País: de um lado uma população afável que continuava a receber os portugueses de braços abertos e a viver com enormes dificuldades; do outro, um esquema autoritário e corrupto, que transmitia um clima de intimidação com total ausência d regras, desviando para proveito próprio e manutenção do poder, as enorme somas que a ajuda internacional canalizava para supostamente apoiar desenvolvimento daquele País miserável.

Tive que dar razão ao Chefe de Contubuel que desconfiava dos políticos instalados em Bissau e de pensar que aquele povo merecia bem melhor.

publicado por jambros às 20:42
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Sábado, 2 de Setembro de 2006

Amílcar Cabral, na pele do Gungunhana

Koty2.jpg
Opinião de : Norberto Tavares de Carvalho, « O Cote »

A notícia foi dada com uma simplicidade extraordinária :
« EUA concluem que Portugal não esteve envolvido na morte de Amilcar Cabral. » (Jornal Expresso, 7 de Junho de 2006).

Um abalo sísmico não teria provocado em mim a mesma reacção. Imaginei cenários, fiz hipóteses, cálculo … nada conseguiu conter-me. Assim, resolvi interceder desta maneira.
Sem nenhuma pretensão monográfica, recordemos alguns antecedentes:

• 1970, Operação « Mar Verde», preparada psicologicamente pelo General António de Spínola na Ilha do Suga, Arquipélago dos Bijagós, comandada pelo Capitão Almeida Bruno e pelo Major Alpoim Galvão, com o objectivo de aniquilar a direcção do PAIGC estabelecida em Conacry. A operação falhou e o futuro Presidente de Cabo-Verde, Aristides Pereira, escapou por um triz (algemado num barco portugês acostado no largo das costas guineenses - de Conacry- foi libertado in-extremis pelos « soviéticos ».)

• 1973, 20 de Janeiro, prisioneiros da PIDE/DGS, recém-libertados da prisão, a cobertos do estatuto de militantes do PAIGC, e com o intuito aparente de reintegrarem o partido, acabaram por assassinar o Amílcar Cabral. Um deles era de origem caboverdeana…

• Qual é então o objectivo desta declaração estado-unidense? Senão que a operação revisionista luso-o-yankee já vinha sendo orquestrada depois de um certo tempo. Um jornalista portugês já tinha preparado a representação ao tentar ilibar o General Spínola na morte do Cabral. No seu livro (« Quem mandou matar Amílcar Cabral ? »), José Pedro Castanheira, Relógio d’Água Editores, 1995.) , para fazer crer à opinião pública do que o General não queria a morte do Secretário-Geral do PAIGC, o escritor serve-se do Capitão Otelo Saraiva de Carvalho, que num dia de completa falta de inspiração, faz a seguinte declaração : « A captura de Cabral, permitiria a Spínola um enorme brilharete. É o espírito típico da Cavalaria: subjugar o adversário, exibi-lo como troféu, fazê-lo vergar, e, depois, negociar. Seria a reedição do que o Mouzinho de Albuquerque fez com o Gungunhana ». (Idem, p. 207)

Isto não é gozar com a gente? Negociar com o Cabral depois de o ter humilhado? Recorde-se de que negociar com o Portugal d’outrora foi um dos cavalos de batalha do Amilcar Cabral. Infelizmente o Dr. Marcelo Caetano sempre vetou as intenções visionárias e humanistas do líder nacionalista. E o Spínola ia negociar com o Amilcar … contra a decisão do seu governo? O escritor russo, Oleg Ignatiev (Os três tiros da PIDE » Oleg Ignatiev) estabeleceu categóricamente : a PIDE/DGS foi o cérebro do assassinato do Amílcar Cabral.

Que as circunstâncias da sua morte ainda não foram totalmente elucidadas, embora se tenham envidados esforços nesse sentido (« Cabo-Verde : os bastidores da independência », José Vicente Lopes, Spleen edição, 2002.) - isto é manifesto. Que não se pode rejeitar a cumplicidade de alguns membros do PAIGC no assassinato, isto também parece ser evidente. Mas que o governo colonial português, pela PIDE/DGS - e o General Spínola intercalado -, « não esteve directamente envolvido na sua morte » (Jornal Expresso, 7 de Junho de 2006), a minha opinião é que tudo isto, longe de uma simples probabilidade, cheira a diversionismo. Mas deixo a questão a quem de direito.

NOTA:

À propósito deste assunto, escrevemos já e reteiramos neste espaço o que se segue: "(...) muito se tem escrito e dito sobre a autoria moral do assassinato de Cabral (pois sabe-se muito mais relativamente a autoria material), sem que novas luzes sejam trazidas à ribalta. Com efeito, não sobram dúvidas de que a autoria moral do assassinato de Cabral é, no mínimo, de responsabilidade múltipla, aliás, responsabilidade essa que varia consoante o nível de comprometimento, jsto é, que varia de forma difenciada à medida em que os agentes do “complot” se aproximam ou se afastam, quais círculos concêntricos, do núcleo daqueles que mais directamente estavam nteressados no desaparecimento físico de Amílcar Cabral.

Ora, era natural que uma figura da dimensão de Cabral tivesse inimigos, dentro e fora do PAIGC. Como o PAIGC era constituído de guineenses e caboverdianos, era também natural que, na perspectiva “de dentro”, existissem guineenses e caboverdianos na múltipla teia de responsabilidades relativamente ao seu assassinato, pese embora o axioma, pelo menos do nosso ponto de vista, da directa participação da PIDE e das autoridades coloniais portuguesas no acto.

Assim, na nossa óptica, a única novidade que os americanos “soltaram” sobre o assassinato de Amílcar Cabral é a de que na sua trama tomaram igualmente parte, citamos, “um feudo entre mulatos das ilhas de Cabo Verde e africanos do continente”, pois até aqui, sobretudo em Cabo Verde, era e é uma espécie de hábito adquirido vislumbrar-se apenas os guineenses entre os esconjurados “de dentro” do PAIGC.

De resto, nenhumas outras novidades nos trouxeram os documentos que os americanos “soltaram” que nem feras, mas que nenhumas mossas fazem, em virtude de nada ou quase nada adiantarem relativamente ao estado actual do conhecimento sobre a matéria, antes pelo contrário, desvalorizando incompreensivelmente a directa participação da PIDE e das autoridades coloniais portuguesas no vil acto, quando asseveram, apenas marginalmente, "haver sinais de envolvimento português", quando, na realidade, dentre os interesses justapostos em linhas concêntricas e que mais se abeiram do núcleo daqueles a quem mais directamente interessava a eliminação física de Cabral – e isso é possível hoje provar-se – figurava inquestionavelmente a PIDE e as autoridades coloniais portuguesas (...)".

Leopoldo Amado



publicado por jambros às 10:46
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 25 de Agosto de 2006

Sobre "A Hora da Verdade" - novo livro de José Manuel Mendes Pereira

Hora da verdade 4.jpg
Revelação n.º 2, Edição do autor, 338 páginas, s/ data.

Hoje, chegou-me as mãos o livro (Revelação n.º 2, não tive acesso ao n.º 1) de José Manuel Mendes Pereira intitulado “A Hora da Verdade” – Incúrias e Contrabandos”. Como não podia deixar de ser, li-o de um só fôlego e, por isso, reconheço que preciso de tempo para melhor o digerir, após uma segunda e mais atenta leitura, pois não é recomendável que sobre ele produza opiniões sem um espírito despido de emoções, positivas ou negativas, tal o calafrio que em mim provocou o ambiente escabroso que grassou e grassa nas Forças Armadas guineenses e que o autor de alguma maneira procurou trazer ao de cima.

Desde logo, curiosamente, notei a existência de fortes paralelismos (certamente não fortuitos) entre este livro de José Manuel Mendes Pereira e o de Queba Sambú (“Ordem para Matar”), tratando-se, tanto num caso como noutro, de autores que foram ou são elementos das Forças Armadas guineenses, ligados aos serviços da segurança de Estado e da contra-inteligência militar e que resolveram contar em livro a sua “verdade”, trazendo ambos à colação assuntos e documentos até aí desconhecidos do grande público.

Voltaremos neste espaço, tentando identificar os paralelismos referidos, tanto mais que para lá das eventuais outras ilações a tirar e da justeza dos juízos de valor emitidos pelos autores – ressalta imediatamente, tanto num como noutro livro, a conclusão, provisória que seja, de que um dos maiores “Calcanhar de Aquiles” da Guiné-Bissau, senão mesmo o mais pernicioso, é justamente aquele que se prende aos vários assuntos ligados às Forças Armadas do país e aos serviços da Segurança de Estado, mormente o indissociável e recorrente problema da corrupção e o uso da violência gratuita.

Livro enfadonho, este do José Manuel Mendes Pereira, porque entristece qualquer guineense verdadeiramente amante da Guiné-Bissau e da paz, mas é, concomitantemente, a justo título, tal como de resto o é também o de Queba Sambú, reflexo podre e escabroso, para não dizer asqueroso, do vil percurso trilhado pelas estruturas de poder na Guiné-Bissau, salvaguardando-se, obviamente, as poucas ou quase nulas excepções de outros sectores da sociedade que, desde a independência à esta parte, de alguma maneira escaparam a impiedosa influência deste perverso e negativamente ambiente, matizado pela corrupção, degradação moral e violência gratuita existente nas Forças Armadas e na sociedade guineense em geral, com o agravante de sermos forçados a constactar que, após uma violenta guerra civil que foi a expressão máxima desta atmosfera deletéria, estes e outros assuntos que se prendem às Forças Armadas guineenses não foram erradicados nos dias que correm(afinal, não se-los miraculosamente), antes, pelo contrário, continuando a influenciar negativamente o país, interna e externamente.

Como quer que seja, podemos desde já avançar que este livro põe evidência o facto de ter sido completamente quebrado, no complexo processo político da Guiné-Bissau, o equilíbrio entre a sociedade civil, o sector privado, os sindicatos e o Estado. Aliás, é desse desequilíbrio que resultou um Estado autoritário e sobredimensionado, a inexistência de uma oposição forte, para além de uma sociedade civil quase sem voz.

Esta situação agudizou-se com a guerra civil e só praticamente agora começou-se novamente a assistir ao ressurgimento ténue e gradual do sector privado, à diversidade sindical e ao (re)aparecimento de organizações não governamentais. Mas tal desequilíbrio está ainda longe de ser ultrapassado. O sector privado não constitui ainda massa crítica suficiente para influenciar as decisões do Governo, pois nem sequer é tomado como interlocutor em discussões de concertação social. A oposição política ganha outra dinâmica numa situação de paz, mas continua ainda bastante débil. A criação de organizações não governamentais transformou-se num rendoso negócio e vem tirando credibilidade ao papel que este tipo de instituições pode desempenhar.

Os intelectuais, que já se demarcavam na altura do Estado autoritário, demarcam-se hoje ainda mais face a práticas de governação pouco recomendáveis. Como consequência desse alheamento, o papel fundamental de conceber e implementar políticas para a promoção do desenvolvimento ressentiu-se fortemente no país, na medida em que uma das grandes debilidades que evidencia o actual quadro, a par de um deficiente funcionamento da administração estatal, prende-se justamente com a dificuldade em conceber e implementar políticas de longo prazo, pois são pouco conhecidos os trabalhos que evidenciem um planeamento estratégico de longo prazo de que o país tanto precisa.

Porém, da tristeza provocada pelas “verdades” que o José Manuel patenteou no seu livro, ocorre dizer que, em termos da nossa evolução estratégico-estrutural, apesar de tudo, não temos que nos deixar influenciar pelas circunstâncias actuais, pois nada está ganho e nada está perdido. Tudo está nas nossas mãos e nas dos nossos descendentes, por uma razão: a História não conhece impasses. Guiné-Bissau não é efémero do tempo que passa; é o contínuo que resulta do passado, no presente e para o futuro, da vontade dos guineenses.

Importa pois compreender, avaliar e fazer progredir o quadro estrutural (tempo; espaço; as coisas; os homens) na sua realidade única, que é a do longo prazo. A perspectiva duradoura da história do futuro é feita em cada momento, com cada acção, e resulta, conceptualmente, das articulações entre dois binários: Teoria e História; e História e Prospectiva.

É nesse quadro que abordaremos proximamente este livro de José Manuel Mendes Pereira, a quem felicito pela iniciativa, independentemente do facto de concordar ou não com as asserções fundamentais nele contidas.

Leopoldo Amado

NOTA:

Há dias, a RDP-África noticiou a prisão de alguns elementos das Forças Armadas guineenses e, como que por pressão interna e externa, os órgãos de comunicação, tanto nacionais como estrangeiros, deixaram curiosamente de acompanhar o assunto.

Porém, dentre os elementos presos e acusados ora de tentativa de golpe de Estado ora de tentativa de assassinar Tagma na Wai, Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas, figuram, entre outros, altas patentes como o Lamine Sanhá, Tchambu Mané e Lamine Sissé, curiosamente, todos mandingas e ex-apoiantes de Ansumane Mané, líder da rebelião que derrubou o Presidente Nino Vieira em 1998 e alegadamente assassinado em Novembro de 2000, durante o consulado de Kumba Yalá como Presidente da República.

Recorde-se, no entanto, que alguns dos militares agora presos, estiveram também detidos e afastados por longo tempo das fileiras militares, na sequência dos tumultos que conduziram a morte de Ansumane Mané. Porém, reintegrados no Exército, são agora novamente presos, sob a acusação de tentativa de golpe de Estado e tentativa de asassinar Tagma na Wai, actual Chefe de Estado-Maior das Forças Armadas.

Após a leitura “en passant” do livro de José Manuel Mendes Pereira (e igualmente o de Queba Sambú), o mínimo que se pode concluir – esperamos estar enganados! – é que as rixas e a confrontação surda, sempre patentes nas Forças Armadas, entre os mandingas e balantas (etnias tradicionalmente maioritárias na sociedade castrense), a par das fortes projecções que estas disputas e quezílias se reproduzem no poder civil, prosseguem o seu curso normal nas Forças Armadas guineenses e, por arrasto, também em torno das estruturas do Estado da Guiné-Bissau.

Oxalá os “Estados Gerais”, a Missão Especial do Secretário-geral as Nações Unidas (UNOGBIS), a sociedade civil guineense, a CPLP e a própria Comunidade Internacional possam rapidamente consciencializar-se dessa incontornável realidade para que se possa acautelar, enquanto é tempo, dessa atmosfera de sintomática e frágil paz social, aliás, cujos sinais evidentes, de resto, chegam-nos novamente da Guiné-Bissau.

Leopoldo Amado
publicado por jambros às 21:08
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quinta-feira, 17 de Agosto de 2006

Olhares de fora - A mudança da relação com África

Lito 1.jpg
Carlos Lopes

In "O Mundo em Português" Nº60, Dez, 2005


na relação de Portugal com o mundo era o cantinho reservado a África. Sentia um misto de entusiasmo, por saber o continente tão presente no quotidiano português, com tanta visibilidade nos media, e com um enorme volume de conhecimentos científicos guardados em instituições várias, e de tristeza, por saber que essa motivação perdia a batalha dos corações mais jovens, com a ausência de uma política deliberada de integração dos imigrantes, e a leveza com que se desviavam os olhos em relação ao futuro de África. A relação de Portugal com África ficava cada vez mais datada e menos dinâmica.

Esta constatação era tanto mais intrigante quanto se antevia que a Revolução dos Cravos – e a descolonização que se lhe seguiu – representavam um virar de página, a passagem de uma relação colonial para uma relação de parceria.

Ao longo dos anos foi-se verificando uma procura de África para negócios e actividades de curto prazo, mas menos interesse no advir, na cultura, no aprofundamento do conhecimento sobre a contemporaneidade. Era como se bastasse o que se sabia para manter uma relação que se foi desenhando como paternalista e, às vezes, interesseira.

Hoje a África está presente em Portugal através dos guetos, dos jovens desempregados ou desamparados, e de uma atitude pessimista desenvolvida a partir do desapontamento da evolução política recente do continente. Trata-se também de uma questão geracional. Mas a verdade é que as elites portuguesas perderam a paciência. E pode-se muito bem entender porque.

O 25 de Abril não teria sido possível sem a conjugação da luta anti-fascista e anti-colonial. Antes – e logo depois de 1974 – as inspirações de uma boa parte da intelectualidade portuguesa, e dos movimentos políticos independentistas, tinham as mesmas raízes, os mesmos referenciais e a mesma esperança. À medida que foram surgindo os primeiros golpes, começou a haver uma retracção e um afastamento, logo transformado em fuga, para depois ser mesmo substituído por fustigação e ataque. Pobres africanos: esquecidos tornaram-se bravos – o instante de mostrar sua autonomia – para depois baixarem a cabeça e aceitarem mais um isolamento.

O discurso, esse evoluiu. Mudou para lusofonia, como que para não eliminar completamente o manto integrador anterior. Mas esse discurso tem limitações várias que Portugal também foi descobrindo – às vezes de forma áspera.

Se alguém me dissesse que em 2005 haveria mais europeus do leste que cabo-verdianos ou angolanos em Portugal, iria achar não só impossível mas mesmo inverosímil. No entanto, a dinâmica do mercado de trabalho, e as forcas centrífugas da União Europeia, acabaram por provocar isso mesmo: mais fluxo entre Kiev e Lisboa do que entre Bissau, Maputo e a capital do Tejo. Nunca poderia ter imaginado semelhante desenvolvimento, e em tão pouco tempo.

Para mim o mais espantoso na evolução de Portugal é a batalha demográfica. Ela vai obrigar a redefinir o que é ser português. Por imposições económicas, da segurança social, e de sobrevivência, Portugal vai ter de aceitar que precisa de emigrantes para sobreviver. E ao fazê-lo vai ter, de forma implícita ou explicita, que fazer escolhas de relacionamento. Esse é o verdadeiro teste da lusofonia para Portugal. Mas o problema está apenas equacionado. Amanha poderá acontecer a Lisboa o que incendiou Paris.

O mundo tem vivido uma serie de pequenas vinganças do velho Karl Marx, uma delas sendo que a primazia da economia sobre o resto acabou sendo imposta... pela globalização capitalista. Mas em outras frentes os marxistas enganaram-se, todos nos enganámos.

O Estado nação, definido como uma instituição de conformação unitária de língua, passado histórico, cultura, religião, e outras dominantes, faleceu. Tinha nascido com dificuldades. Muitas vezes a ideia de Nação foi construída a partir do Estado. Na maior parte dos países africanos a modernidade foi associada à construção do Estado nação. Em nome do nacionalismo se lutou pelas independências. Era assim normal que, ao analisar-se a realidade portuguesa se insistisse que se tratava até de um exemplo raro de confirmação de que poderia haver um Estado nação como definido teoricamente nos livros. Portugal continua a ser considerado, por muitos, como uma das mais velhas verdadeiras nações europeias.

Pelas suas características, sempre foi difícil para a intelectualidade portuguesa entender o que verdadeiramente se passava na África. O interesse tinha, pois, chances de ser seguido por desapontamento. E assim ficou um pouco suave de mais a ideia de que a proximidade cultural criada pela língua era um atractivo para relações especiais com os chamados Palop.

Foi-se a solidariedade de princípios, a cumplicidade revolucionária e, agora, também, o namoro lusófono. Com que se fica?

publicado por jambros às 13:59
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 9 de Agosto de 2006

As próximas décadas - Tendências do desenvolvimento em África

Africa 2.jpg

por Fernando Jorge Cardoso, In "O Mundo em Português" Nº60, Dezembro de 2005

Perspectivar o rumo e as tendências de desenvolvimento de África nas décadas futuras tem sido um exercício repetido – e repetidamente falhado. Esta chamada de atenção é necessária, para realçar a natureza assumidamente incerta deste exercício especulativo.

Que tendências se destacam, pois, na evolução de África nas primeiras décadas do presente século?

A primeira delas decorre da natureza das economias africanas, que não têm capacidade para se desenvolver em contracorrente à evolução da economia mundial e, mais concretamente, em contracorrente à evolução das economias dos países com quem mantêm o essencial dos fluxos de comércio e investimento.

Um corolário desta afirmação põe em causa um dos pressupostos mais queridos do pensamento económico (in)dependentista: os países africanos não têm condições para prosseguir estratégias de substituição de importações, devendo, antes, potenciar as suas ligações à economia mundial, ou seja, aumentar as exportações, desejavelmente com o máximo de valor incorporado possível.

A segunda tendência decorre igualmente da evolução externa aos países africanos, designadamente o crescimento dos preços das matérias primas minerais, com realce ao do petróleo, sustentado, em larga medida, pela industrialização acelerada de China e, em menor escala, da Índia. Esta realidade vai provavelmente manter-se no longo prazo.

É evidente o aumento recente do investimento externo (incluindo o chinês) em várias economias africanas nos sectores da produção mineral e energética e na construção civil. Países como o Mali, Angola ou Moçambique são exemplo desta nova realidade. Esta tendência tem influenciado o rápido desenvolvimento e financiamento nos sectores da obras públicas e da mineração, bem como, colateralmente, dos serviços bancários e financeiros.

Em suma, para uma quantidade apreciável de países com recursos minerais exploráveis, existe a possibilidade de aproveitar, positiva ou negativamente, este fluxo de financiamento e investimento externo. Dependerá bastante das condições políticas internas e da qualidade e transparência da governação o rumo dos acontecimentos futuros. O desafio é aproveitar os recursos disponíveis para desenvolver países e não só elites predadoras. Este desafio está em aberto e terá, possivelmente, respostas diferenciadas.

A terceira tendência tem a ver com o binómio diferenciação-homogeneização: África vai desenvolver-se em bloco ou existirão países africanos a descolar mais rapidamente no sentido da modernização das respectivas economias? Esta questão entronca com as realidades da integração regional em curso no continente.

Previsivelmente a realidade de cada país vai continuar a distanciar-se do discurso africanista consensual. As agendas nacionais continuarão a sobrelevar sobre as agendas regionais e o surto de investimentos acentuará ainda mais a ligação e as dependências de diversos países às economias mais industrializadas e emergentes no cenário internacional. Uma provável excepção a esta regra será o anel de países clientes da África do Sul, ou seja, parte dos países situados na África austral. Esta tendência diferenciadora não constituirá, por si só, uma ameaça aos esforços de integração regional, na medida em que os mercados internos dos países cresçam e as iniciativas de abertura de fronteiras se mantenham. Porém, em termos de prioridades o nacional virá sempre antes do regional.

Uma quarta tendência tem a ver com a democratização em curso. Os procedimentos democráticos básicos – eleições, separação de poderes, primado da lei sobre a força - têm vindo a ser apropriados pelas elites governantes, que vão criando as suas alianças e clientelas internas e externas. É interessante notar a durabilidade de grupos e personalidades no poder que outrora defendiam regimes militares ou de partido único. Esta conversão democrática das elites veio, aparentemente, para ficar, e é largamente consensual. Ou seja, o espaço político está mais aberto, a imprensa é mais livre, os tribunais vão cultivando alguma independência do poder político.

O porquê do aparente triunfo dos regimes democráticos não vem somente da colagem às tendências e condicionalidades internacionais; ele advém igualmente do fenómeno em curso de privatização dos Estados e de apropriação de bens públicos através de esquemas de favoritismo e influência: o crescimento das burguesias internas está em curso e é claramente dominado por quem detém a dominação política. A prazo, com a emergência de sociedades civis e de partidos políticos mais fortes, as regras democráticas, a serem mantidas, poderão corrigir práticas predadoras. O facto que importa salientar é que muitos dos países africanos reiniciaram o processo de modernização na vigência de regimes democráticos – e isto é novo em África.

Uma quinta tendência situa-se no domínio dos conflitos violentos. Neste campo, existe uma forte aliança de objectivos entre a comunidade internacional, os governos, os partidos políticos, as igrejas e as organizações da sociedade civil, claramente empenhados no fim das guerras e das soluções violentas dos conflitos existentes. É previsível que, com a excepção da África oriental – Uganda, Sudão, Etiópia, Eritreia e Somália –, os conflitos ainda existentes na costa ocidental africana estejam resolvidos a curto prazo.

A médio prazo, a conflitualidade nas zonas mais perto do Médio Oriente e do Corno de África dependerão bastante da evolução política e militar em países como o Iraque, Irão, Arábia Saudita e Israel. A existência de conflitos violentos em vastas zonas, incluindo regiões ou mesmo países onde se verifica uma ausência de instituições do Estado, favorecem a criação e fixação de redes terroristas e de contrabando.

Uma sexta tendência tem a ver com a evolução do HIV/SIDA e das doenças mais graves no continente: a malária, as diarreias e infecções respiratórias. Parte das grandes endemias em África decorrem do subdesenvolvimento e da pobreza: a criação de redes de saneamento básico, o tratamento das águas, a melhoria das dietas alimentares serão, em última instância, o melhor combate contra uma parte destas doenças. A evolução da SIDA está igualmente ligada aos conflitos violentos – a paz, a modernização das sociedades africanas, o combate a práticas e mitos ancestrais, o aumento da informação e do acesso a meios de prevenção são armas poderosas contra a infecção. A utilização de novos medicamentos mais eficazes e a possível descoberta de uma vacina contra a malária, no próximo futuro, tenderão a melhorar os níveis de saúde e de produtividade do trabalho actuais.

Não obstante a previsível melhoria das condições sanitárias, sustentada pela paz, pelo crescimento económico e pela ajuda internacional, os efeitos perversos da epidemia de SIDA continuarão a afectar vastas regiões do continente africano, nomeadamente nas regiões austral e oriental. Em que medida é que os efeitos da doença se repercutem nas possibilidades de crescimento acelerado é uma discussão não consensual. Sem dúvida que estamos perante uma tragédia humana com impacto sobre as futuras gerações, e que influencia ritmos de crescimento, de produtividade e de competitividade. É cedo, porém, para concluir sobre inexoráveis obstáculos ao desenvolvimento e à modernização dos países.

Como nota final, não tanto como tendência, mas como condição sine qua non, o factor porventura mais influente para a evolução das sociedades africanas será a qualidade da formação, da educação e da instrução. Na sociedade do conhecimento, o capital humano não só condiciona o bom aproveitamento endógeno das riquezas naturais dos países, mas também determina cada vez mais a eficácia da especialização do trabalho e a competitividade das economias.


publicado por jambros às 17:37
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Bissau

images.jpg
Luís Carlos Patraquim

Tchon de Papel, bairro da capital guineense. O gerador faz ouvir seu ronronar monótono no quintal da casa. A temperatura é amena, ou não estivéssemos na estação seca.

Há menos lixo, observam os habitantes que fazem o elogio do novo presidente da câmara. Decepção, portanto, para quem chegasse com visões simbólicas e quisesse ver, nos corvos e seu crocitar, o prenúncio de qualquer nova desgraça. Desde o 7 de Junho de 98, data do levantamento de Asumane Mané contra Nino Vieira, que a electricidade vem a espaços. Pela conversa com amigos se percebe que esse dia constitui uma espécie de linha de demarcação temporal na difícil narrativa do país.

Resolvida, noutro golpe e com aplauso quase geral da população, a questão da unidade com Cabo Verde, é hoje que a tarde de Bissau escorre, lenta e quase imóvel, por entre os edifícios degradados, as ruas por asfaltar, o linguajar imparável do povo apostado num infinito mercadejar de tudo: mancarra e laranjas, pilhas, roupa, arroz, movimento dos “toca toca”, vulgo “chapas” trazendo, levando, de uma periferia para um centro que se confunde com ela. Não obstante esta visão do viajante ocasional, toda a gente sabe bem fazer a distinção entre cidade e subúrbio.

Chega-se a um país que já foi mítico, naquilo que constitui a saga da luta de libertação, e confirma-se o que a crónica, jornalística ou de viva voz, vem contando sobre as suas atribulações. E dói. Dói ver isto na terra de Amílcar Cabral. E é então que, no que ao triângulo Angola-Moçambique-Guiné diz respeito, se percebe ser esta terra uma espécie de lugar geométrico onde os sonhos se esfumaram no ar, onde o mapeamento de uma certa utopia se perdeu na curva da estrada.

Na brisa da noite que já veio, cidade velha adentro, junto ao forte, com cais de Pidjiguiti escondido por uma última fileira de casas derruídas, são múltiplas e complexas as explicações. Desde a extrema complexidade étnica do país à inexistênca de uma efectiva implantação do aparelho de estado, do povoamento que não houve à integração crioula que criou seus próprios fantasmas, seus ódios e poses de afirmação, desde os desastres e inépcias das várias governações ao amiguismo e corrupções que grassam e impõem seus valores, suas escondidas regras.

As populações, essas, insistem em desenrrascar-se nos seus difíceis quotidianos, descrentes da governação, insinuando-se com a sua criatividade, por vezes agónica, na rede aparelhistica e interesseira que faz a pose do Estado que inexiste, garantem-me, para lá da capital e alguns arredores.

Mas como país é viável! E é, com certeza. Dizem-me e eu registo, que só a produção da castanha de caju significa uma receita de mais de duzentos milhões de dólares – cálculos por baixo – que se esvai entre candongas financeiras e cambiais, com o francoCFA – convertível – a ajudar à festa. Para não falar nos recursos do mar, das pescas ao petróleo ‘off shore’. Algumas iniciativas teimam em remar contra a maré, desde o surgimento de bancos para o micro- crédito e a pequena poupança, ao delinear de algumas medidas fiscais, Tudo à espera de melhores dias.

Situada numa região complexa, com o fantasma de Casamança, esse sim como um corvo a adejar, a Guiné Bissau espera. Espera que o governo passe na Assembleia, que Nino Vieira se tenha metamorfoseado no sage de que precisa, que os velhos guerrilheiros regressem definitivamente a casa – honrando-se os que o merecem – e que uma classe empresarial digna desse nome se consolide. Neste interim é o assalto de libaneses e de nigerianos, a crescente instabilidade na cidade embora, e à escala, isso fizesse sorrir qualquer habitante de Joanesburgo ou mesmo de Maputo.

Nas tertúlias nocturnas, com a aura de intimidade que o caráter afável e hospitaleiro dos guineenses oferece e a falta de electricidade paradoxamente confere, o tema das conversas acaba sempre por ir ter à situação do país e às expectativas para o futuro. E como ele tem quadros! Grande parte deles desgraçadamente no exterior, a construírem suas vidas na estranja.

A acrescentar a isto só faltava a surda vaga islâmica que graça na região, a que o eleitorado, dizem, esteve atento aquando das últimas eleições. Barril de pólvora? Seguramente que não, sobretudo se se estiver atento e se se der uma oportunidade à reconstrução, ao gizar de projectos consequentes, sustentados.

Bissau vai adormecer ao som dos geradores, no bruá dos bazares de rua iluminados pela chama precária dos xipepho.


publicado por jambros às 11:29
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 7 de Agosto de 2006

...

agualusa.jpg
José Eduardo Agualusa

Feras, modo de usar
PUBLICO
30.7.06

Comecemos pelo fim: "Já tive uma mãe e ela amava-me". É com esta
frase que Uzodinma Iweala fecha o seu primeiro romance, "Beasts of no
Nation". Uma frase que não se esquece. O sucesso do livro surpreendeu
o autor, um jovem nigeriano de apenas 24 anos, que estudou literatura
em Harvard, e vive actualmente entre Lagos e Washington.

Não acho surpreendente que um bom livro consiga um rápido sucesso. O
que nunca deixa de me surpreender é o fulgurante sucesso de alguns
maus livros. "Beasts of no Nation", que li na tradução de Christina
Baum para a Nova Fronteira, com o título "Feras de Nenhum Lugar" é
sem dúvida um bom livro. Ignoro se alguma editora portuguesa o
tenciona publicar mas espero que sim, o mais cedo possível.

Uzodinma é uma das principais estrelas da Festa Literária de Parati
(FLIP), o maior acontecimento literário do mundo de língua
portuguesa, que principia no próximo dia nove de Agosto na belíssima
cidade histórica situada a sul do Rio de Janeiro.

Criado no seio de uma família de classe média alta, em Washington,
onde aliás nasceu, Uzodinma conseguiu construir um narrador
convincente, nos antípodas da sua própria origem e condição — Agu, um
menino pobre, que depois de sequestrado por um grupo de soldados de
um país da África ocidental, nunca nomeado, se transforma num
assassino.

Após o recomeço da guerra em Angola entrevistei crianças que haviam
sido recentemente desmobilizadas pelo exército governamental angolano
e pelas forças da guerrilha. Cheguei até elas através de Ana
Filgueiras, uma mulher extraordinária, portuguesa sem fronteiras, que
trabalhara com meninos de rua no Brasil, durante muitos anos, antes
de se mudar para Angola. Ana entregou a dois destes meninos
gravadores de cassetes com os quais eles percorriam os bairros de
Luanda, a pé e de bicicleta, recolhendo depoimentos de antigos
companheiros.

O objectivo, a publicação de um livro com os referidos depoimentos,
não chegou infelizmente a ser concretizado devido ao abrupto regresso
de Ana Filgueiras a Portugal - muito doente. Lembro-me de ter ficado
impressionado não tanto com a naturalidade com que os meninos
narravam as abominações da guerra, mas sobretudo com a ternura com
que recordavam a infância roubada e, em particular, o amor dos pais.

"Já tive uma mãe e ela amava-me".

Um exército, qualquer exército, é no essencial uma máquina destinada
a transformar jovens comuns em assassinos. "É fácil militarizar um
civil", gostava de lembrar o poeta angolano Ernesto Lara Filho: "O
problema, depois, é como civilizar um militar".

"Não pense, diz o Tenente. Deixe acontecer. No momento que a gente
pára pra pensar, a cabeça da gente fica que nem a parte de dentro de
uma fruta podre, diz ele. O Comandante diz que é como se apaixonar.
Você não consegue pensar sobre isso. Você só tem que fazer. Acredito
nele. Que mais posso fazer? Todos dizem, pare de se preocupar. Logo
vai ser a sua vez e você vai saber o que a gente sente quando mata
alguém. Todos riem de mim e cospem no chão perto do meu pé".

Para transformar um jovem comum num assassino, portanto, começa por
se lhe tira a mãe (a possibilidade de uma mãe) e depois o pensamento.
Uniformizar também ajuda. O uniforme uniformiza. Uniformizar é
despersonalizar. Em vez de um nome, um número.
Quase todos os países africanos que alcançaram a independência
através da luta armada viram-se envolvidos, pouco depois, em
sangrentas guerras civis. Os mais estáveis e prósperos países de
África, como o Botswana, Cabo Verde, ou a ilha Maurícia, são
precisamente aqueles que não mataram para se libertarem. Matar não
liberta ninguém.

"Então o Comandante me chama, Agu. Venha cá agora. Diz para o chefe
dos inimigos se ajoelhar, apesar do homem já estar ajoelhado e
vomitando. Fico em pé no meu lugar. Não quero matar ninguém hoje. Não
quero matar ninguém nunca. (...) Mata ele, diz o Comandante no meu
ouvido e levanta minha mão com o facão bem alto. Mata. (...) Segura
minha mão e abaixa ela com força na cabeça do inimigo, e sinto como
se uma corrente eléctrica atravessasse o meu corpo todo". O horror! O
horror! Sim, o horror! A realidade é sempre muito pior.
publicado por jambros às 16:10
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. ...

. Tajudeen Abdul-Raheem pos...

. PAIGC: uma história de co...

. A última Imagem da Guiné:...

. Amílcar Cabral, na pele d...

. Sobre "A Hora da Verdade"...

. Olhares de fora - A mudan...

. As próximas décadas - Ten...

. Bissau

. ...

.arquivos

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds